Milovan Djilas e A Nova Classe – Cajo Brendel

[Nota do Crítica Desapiedada]: O presente ensaio é uma brochura publicada originalmente no periódico Spartacus (1943-1962), de orientação comunista de conselhos, cujos membros proeminentes foram Cajo Brendel e Theo Maassen. O ensaio que publicamos aqui é de autoria de Brendel e foi traduzido por Jan Freitas, a partir da versão disponível no Left.dis: “Milovan Djilas en de nieuwe klasse“. O documento original pode ser acessado em: “Milovan Djilas en de nieuwe klasse” (Parte 1, Parte 2).
Assim, publicamos novamente mais uma tradução do holandês para o português com a colaboração de Jan, enriquecendo o acesso ao material inédito das publicações dos comunistas de conselhos na Holanda. Ao lado disso trazemos novo texto de Cajo Brendel, marxista pouco conhecido no Brasil – e, sem dúvidas, em vários outros países do mundo – que possui grande parte da sua produção publicada apenas em holandês e, comparando-o a outros autores comunistas de conselhos como Pannekoek, Mattick e Karl Korsch, Brendel ainda não teve o mesmo destaque [confira a seção do CD dedicada aos textos do autor: Cajo Brendel (1915-2007)]. Deste modo, o presente ensaio é uma contribuição para divulgar as ideias de Cajo Brendel, ampliando o acesso ao material crítico que ele produziu e que ainda permanece quase desconhecido no debate marxista autêntico. Esperamos que nossos leitores e leitoras possam avaliar criticamente o ensaio de Brendel e retirar daí novas contribuições para a crítica desapiedada de Djilas, particularmente de seu livro “A Nova Classe”, que encontra-se disponível em português apenas na versão física e em preço acessível nas várias livrarias brasileiras. Boa leitura.
Obs.: Disponibilizamos também para leitura o pdf numerado do presente ensaio: Djilas e a Nova Classe (Cajo Brendel).


MILOVAN DJILAS e A Nova Classe – Cajo Brendel

Republicado por left-dis.nl, setembro 2021

Prefácio à primeira edição

Os seis capítulos desta brochura apareceram originalmente como uma série de seis artigos no “Spartacus” no outono de 1957. O tema era o livro, publicado pelo destituído vice-presidente iugoslavo MILOVAN DJILAS sob o título “A Nova Classe”. Quando o primeiro artigo apareceu, a tradução holandesa desse trabalho, pela editora H.J.H. Becht, em Amsterdã, tinha acabado de sair da imprensa. Este fato deu à série uma grande atualidade.

Depois, o congresso da Liga Spartacus que decidiu, no final de outubro de 1957, coletá-los e publicá-los como um folheto, foi da opinião que os seis artigos manteriam seu significado, mesmo quando a razão de sua publicação já estivesse muito atrasada.

Se o leitor não estiver já familiarizado com o conteúdo da “Spartacus”, ele ou ela logo descobrirá em que se baseia esta opinião. Na forma duma resenha de livro, os artigos em questão contêm muito mais do que apenas uma avaliação do muito discutido trabalho de Djilas: trata-se duma tentativa de traçar a posição de Djilas na sociedade iugoslava e de explicá-la a partir do desenvolvimento próprio  desta sociedade.

Não apenas uma crítica da “Nova Classe” e do seu autor, Milovan Djilas, é aqui apresentada ao leitor, mas uma crítica histórico-materialista, na qual as condições sociais também são desenhadas, e na qual o que falta ou é inadequado nas críticas de Djilas ao bolchevismo é explicado pelos limites que são inevitavelmente impostos a uma crítica nascida sob condições bolcheviques. Assim, esta brochura não é significativa apenas pelo que diz sobre Djilas e a nova classe, mas também pela forma como o método do materialismo histórico é aplicado à abordagem dos problemas.

Ainda quanto à maneira de juntar aqui a série dos artigos é de dizer o seguinte. A forma original foi mantida quase inalterada. As repetições, inevitáveis com artigos que se sucedem quinzenalmente, foram eliminadas. Aqui e ali, uma única peça sofreu uma ligeira expansão. São passagens que infelizmente tiveram que ser omitidas por falta de espaço na publicação na revista “Spartacus”. O título, que originalmente lia “O livro ‘A Nova Classe’ de Milovan Djilas” foi alterado para o encontrado na página de título. Assim, pensamos, está mais alinhado com o conteúdo, que – como acabamos de dizer – é mais do que uma simples resenha de livro. Finalmente, a brochura inclui como apêndice 3 um artigo que também foi publicado em “Spartacus”, que está intimamente relacionado ao livro de Djilas, bem como alguns detalhes sobre o julgamento contra Djilas.

A liga Spartacus espera que esta publicação contribua para facilitar em amplas camadas do proletariado a discussão sobre “A Nova Classe” que surgiu nos países bolcheviques.

Amsterdã, Janeiro de 1958.

Prefácio para a segunda edição

O livreto sobre Milovan Djilas – quanto à forma, uma resenha da sua obra “A Nova Classe”, quanto ao conteúdo, uma análise crítica da posição de Djilas e um exame do contexto social de suas ideias – foi escrito há quatro anos, numa época em que o rebelde iugoslavo estava na prisão, condenado pelos juízes da mesma nova classe dominante que ele havia denunciado em seus escritos.

Neste momento da republicação, as coisas mudaram. Milovan Djilas já não está preso, uma vez que parte de sua sentença foi remetida, ou comutada para a liberdade condicional. Mas este fato não nos levou a mudar nada na primeira edição. Acreditamos que o que escrevemos não é afetado pela libertação de Milovan Djilas. Além disso, ele próprio, depois que as portas da prisão foram (novamente) abertas, declarou enfaticamente que ainda tinha as mesmas opiniões de então.

Qualquer pessoa que tenha seguido a vida de Djilas não se surpreenderá com isso. A nova classe na Iugoslávia deve ter sabido que não seria capaz de esmagá-lo tão facilmente. Mas o que aconteceria se ela tivesse tido sucesso? Isso teria abolido a existência da nova classe? Claro que não, de forma alguma. Mesmo que Djilas tivesse revogado suas opiniões, isso não teria mudado as relações de classe na Iugoslávia, é claro. Não se suprime uma classe dominante simplesmente ignorando sua existência. Ela só pode desaparecer do palco histórico através de uma luta de classes bem sucedida.

Portanto, a nova classe na Iugoslávia continua firme no seu posto. Aqueles que estão interessados em sua posição e caráter de classe, inevitavelmente alcançarão o livro que Djilas dedicou a esta nova classe. E por tanto tempo, esperamos, a nossa atenção às explicações de Djilas, manterá o seu valor. É por esta razão que novamente apresentamos ao leitor nosso livreto sobre Djilas.

Entretanto, a segunda edição não permaneceu completamente inalterada, mas a mudança diz respeito apenas a uma única passagem e à remoção de alguns erros tipográficos. Na página 14 da primeira edição, pode-se ler, com relação à luta do proletariado ocidental, que “as armas espirituais para ela se encontram no arsenal do marxismo, que é o resumo teórico da luta proletária de classes”. A fim de evitar qualquer confusão sobre nossas opiniões, pensamos que seria uma boa ideia não deixar inalterada esta passagem, que lembra as ideias do “antigo movimento operário”. Lê-se agora nesta nova edição:

“O marxismo é a expressão teórica da luta dos trabalhadores”.

Trata-se de uma mudança de princípio, que nos parece de grande importância e que reflete mais corretamente nossa posição. Quanto ao resto, sempre temos de dizer sobre Djilas e suas opiniões aquilo, que pode ser encontrado nas páginas seguintes.

Amsterdã, Janeiro de 1962.

Justificação da edição 2021 do left-dis.nl

Fonte: Milovan Djilas e a nova classe / [Cajo Brendel]. – Segunda edição. – Amsterdã: Publicação do Spartacusbond, editado pela editora De Vlam, 1962. – 21 pág. – (Spartacus, edição nº 6; edição original de 1958).

Transcrição, adaptações ao holandês moderno e explicações entre parênteses retos: F.C. (Fredo Corvo), Setembro 2021.

Tradução em português do Brasil, por Jan Freitas, Outubro 2021.

Milovan Djilas e A Nova Classe

I. Alguns momentos do desenvolvimento teórico de Djilas

Quando, no outono de 1956, os trabalhadores húngaros formaram seus conselhos e levantaram seus braços contra seus opressores capitalistas estatais, o iugoslavo MILOVAN DJILAS publicou um artigo na imprensa ocidental, no qual ele chamou a revolta na Hungria “um novo capítulo na história da humanidade” e “como um fenômeno novo e talvez não menos importante do que a revolução francesa ou russa”.

Seu artigo recebeu imediatamente a devida atenção nos círculos Spartacus. Numa conferência da Liga Spartacus realizada em Amsterdã nos dias 10 e 11 de novembro de 1956, especialmente convocada em reação aos eventos na Terra dos Magiares, algumas passagens deste artigo foram lidas. Isto não foi apenas devido ao ponto de vista do autor sobre a revolta húngara. Aconteceu sobretudo porque Djilas afirmou no seu artigo sem papas na língua que a burocracia bolchevique deveria ser chamada de classe, e ele também caracterizou a burocracia bolchevique na Iugoslávia como tal.

Esta caracterização em si não foi o objetivo dos palestrantes da Conferência de Spartacus. Quase não causou agitação. Durante décadas, grupos como o dos Comunistas Internacionalistas[1] e Spartacus haviam proclamado que a revolução de outubro de 1917 havia resultado na exploração do trabalhador russo por uma nova classe dominante. O sistema vigente na Iugoslávia também já havia sido descrito repetidamente em nossos círculos como uma forma de capitalismo de estado. O significado do “caso Djilas” não estava tanto naquilo que ele disse, mas no fato de que ele o disse.

Milovan Djilas é um bolchevique desde sua juventude. Durante e após a Segunda Guerra Mundial, ele foi um dos ajudantes mais próximos do Marechal Tito. Ele próprio era membro da burocracia estatal iugoslava. Ele se tornou um dos teóricos mais importantes do partido iugoslavo, talvez o mais importante desde que o velho Mosche Pijade havia se tornado cada vez menos proeminente como tal. Contribuições regulares de Djilas apareceram no periódico “Questions actuelles du socialisme” publicado pelo serviço de informações oficial iugoslavo em Paris.

Mas quem estudou de perto o ponto de vista de Milovan Djilas com base nestes artigos, teve que concluir que seu desenvolvimento teórico não estava de forma alguma em harmonia com o desenvolvimento da burocracia iugoslava, que ele não podia de forma alguma ser considerado seu porta-voz.

Num artigo intitulado “Alguns problemas do trabalho teórico”[2], Djilas declarou em 1951 que o Partido Bolchevique russo não era um partido socialista. Ele falou de sua “ideologia reacionária” e de sua “prática opressiva”. Ele condenou fortemente o fato de o partido russo ter o que ele chamou de “o monopólio da formação de opinião”. Ao mesmo tempo, ele apontou que havia um perigo real de que o “monopólio da opinião” também se desenvolvesse na Iugoslávia. Ele argumentou que isto não era apenas um perigo para o desenvolvimento do pensamento, mas também uma prova de que outro monopólio estava se desenvolvendo: “um monopólio material e social, consistindo no domínio dos trabalhadores e na disposição dos produtos de seu trabalho”. Expressou quase os mesmos pensamentos novamente alguns meses depois, no mesmo ano (1951), num artigo chamado “Observações Diversas”[3].

Um ano depois, em outubro de 1952, Djilas discutiu o livro de Stalin recentemente publicado “As Questões Econômicas do Socialismo na União Soviética”. O título de seu estudo foi “Stalin num beco sem saída”. Nele declarou que as categorias econômicas na Rússia têm um caráter estatal-capitalista e que as teorias de Stalin refletem esse caráter[4].

Até lá, podia-se ter dúvidas sobre o significado exato que deveria ser atribuído ao trabalho teórico de Djilas. Será que as críticas que ele fez se basearam apenas no conflito entre Belgrado e Moscou, que existia desde 1948? Ou será que ele queria criticar o capitalismo estatal russo, bem como o capitalismo estatal em seu próprio país? As palavras citadas acima em relação à Iugoslávia podem apontar nessa direção, mas também há indicações suficientes naqueles artigos de Djilas de que isso ainda não era, em larga medida, o caso.

As coisas mudaram em 1953. Quase seis meses após a morte de Stalin, Djilas publicou sua visão sobre o desenvolvimento futuro da Rússia[5]. O que ele diz nele sobre a burocracia tem um caráter claramente geral. Mesmo o leitor mais superficial deve perceber que não está falando apenas da burocracia russa, mas da burocracia como tal. Quando ele começou a expor suas opiniões também no jornal iugoslavo “Borba”, a questão da burocracia logo estava em jogo. Pouco tempo depois, o mundo soube que havia um “caso Djilas” na Iugoslávia.

Quando “o caso Djilas” foi discutido no comitê central do partido iugoslavo em 16 e 17 de janeiro de 1954, Tito disse:

“No decorrer do último outono, Djilas uma vez me perguntou o que eu achava de seus artigos. Respondi que ele sabia que havia coisas com as quais eu não concordava, mas que também havia coisas boas, e que as coisas com as quais eu não concordava não deveriam ser motivo para ele não escrever. Continue com isso. Mas durante o mês de dezembro eu vi – segundo Tito – que Djilas tinha ido longe demais …”[6]

Foi longe demais. De fato! Enquanto Milovan Djilas só atacou a burocracia russa, a burocracia iugoslava não se considerava ameaçada. Ataques à burocracia em geral, ataques à burocracia também no país de Tito, ela considerou inadmissível.

 – O –

Se, naquela época, as críticas de Djilas eram consideradas isoladamente, ou seja, separadas das relações na Iugoslávia, para as quais era, naturalmente, de suma importância, tinham muito pouca substância.

“Burocracia”, escreveu Djilas no outono de 1953[7] “não é uma classe. É algo completamente diferente”.

Como mais tarde – após a revolta húngara – não foi o conteúdo das críticas que tornou o “caso Djilas” interessante, mas o fato de Djilas ter atacado a burocracia e o fato de ela ter reagido de uma forma tão óbvia. Mas havia algo mais. Eduard Kardelj, que se tornou cada vez mais o porta-voz oficial da burocracia iugoslava, acusou Djilas, dizendo que para ele (ou seja, para Djilas) “tudo era relativo”.

Essa foi uma peculiaridade importante. Porque a convicção de que tudo é relativo no campo da sociedade e dos fenômenos sociais, corre como um fio condutor no trabalho científico de Karl Marx, que pode ser chamado de um dos grandes mestres da relatividade no campo das ciências sociais. Quando, por circunstâncias que não queremos relatar aqui, o marxismo foi transformado na ideologia oficial da classe dominante na Rússia, ele foi imediatamente privado deste caráter indispensável e assumiu uma forma absolutista e dogmática. A reprovação de Kardelj a Djilas, pode-se perguntar, significou que a realidade social na Iugoslávia permitiu a este último chegar a uma interpretação do marxismo diferente da rígida, dogmática e bolchevique, que também prevalece na Iugoslávia? Seria talvez neste sentido que a observação de Djilas deveria ser entendida de que os novos fenômenos sociais “exigiam uma nova aplicação do marxismo”?[8] Havia aqui alguma indicação de que Djilas tinha se tornado o porta-voz do proletariado iugoslavo oprimido e explorado, e que esta classe – como grupo oprimido – naturalmente tinha que proclamar as limitações, a relatividade, das relações sociais existentes?

Naquele momento era muito cedo para fazer um julgamento final. Os fatos aqui listados, no entanto, tornarão suficientemente compreensível a razão pela qual havia todos os motivos para acompanhar de perto o desenvolvimento dos conhecimentos teóricos de Djilas. No outono de 1956 foi inconfundível que eles mostraram um claro desenvolvimento, quando ele publicou seu artigo sobre a Hungria. Enquanto em 1953 ele havia negado explicitamente que a burocracia era “uma classe”, em 1956 ele a descreveu como tal. Nessas circunstâncias, tivemos que ficar muito curiosos quando se soube que Djilas, antes de ser enviado para a prisão por suas contínuas atividades oposicionistas, tinha conseguido contrabandear um livro para fora da Iugoslávia chamado “A Nova Classe”.

– + –

Depois de termos lido o livro de Djilas, acreditamos que suas críticas à nova classe que surgiu na Rússia, nos estados satélites russos e na Iugoslávia não são tão severas quanto as críticas que o marxismo da Europa Ocidental exerce e tem exercido sobre a mesma nova classe dominante.

Se compararmos o livro “A Nova Classe” com o artigo sobre os acontecimentos húngaros do outono de 1956 ou com artigos sobre os quais acabamos de falar, percebemos que ele fez muito progresso na clareza e na agudeza de suas formulações.

Djilas diz que nos países bolcheviques a chamada “ditadura do proletariado” se tornou uma ditadura sobre o proletariado pela burocracia política, que se tornou rígida, uma nova classe exploradora, que cresceu a partir do aparato partidário e de fato tomou posse da propriedade dos meios de produção nacionalizados. Ele rompe com o mito de que o bolchevismo trouxe a sociedade socialista sem classes, ou estaria a caminho dela, mas o define como um sistema moderno de opressão baseado na violência, na propriedade dos meios de produção e no monopólio do pensamento.

À primeira vista, tudo isso parece muito semelhante à avaliação que também nós fazemos dos estados bolcheviques e do bolchevismo. Numa inspeção mais detalhada, no entanto, vemos grandes diferenças. Se alguém perguntar de onde vêm essas diferenças, respondemos que elas se devem às circunstâncias em que Milovan Djilas se encontra. Com isto não queremos apontar ao fato de Djilas ter escrito seu livro com uma perna na prisão, mas ao fato de ele ser iugoslavo, ou seja, um habitante de um país ainda muito pouco desenvolvido industrialmente, que ainda de forma alguma tem um proletariado que possa ser comparado com a classe trabalhadora moderna do Ocidente. Já veremos mais de perto como isso foi importante para as ideias de Djilas.

– 0 – 0 –

II A comédia dos equívocos

Mesmo antes da sua publicação, em 12 de agosto de 1957 pela editora Frederick A. Praeger em Nova York e em setembro de 1957 por Thames e Hudson em Londres,  o livro “A Nova Classe” de Milovan Djilas já era uma sensação nos jornais burgueses dos Estados Unidos e da Europa Ocidental. Em 25 de julho de 1957, a agência de imprensa americana, Associated Press e a inglesa Reuter deram a notícia sobre o livro, caracterizando-o como “o documento anticomunista mais destrutivo jamais escrito”. Isto calhou, é claro, muito bem em todas as redações dos jornais burgueses entre Viena e São Francisco. Eles devoraram a fruta da caneta do rebelde iugoslavo como os judeus no deserto do Sinai uma vez devoraram – segundo o livro bíblico do Êxodo – o pão que havia chovido do céu; e o fizeram sem prestar atenção ao mandamento no mesmo livro bíblico: “Não apanhai rumores falsos….”.

A alegria geral que o livro de Djilas despertou neste lado da chamada Cortina de Ferro (com exceção da Iugoslávia) é uma coisa muito curiosa. Durante anos – décadas – os jornais desta parte do mundo nunca se cansaram de dizer que o “comunismo” só trouxe uma amarga miséria aos trabalhadores. O que era de esperar destes jornais quando se trata de um livro que chega a afirmar que o sistema que eles denunciam não tem nada a ver com o comunismo, mas que equivale à dominação de uma classe de exploradores exatamente como aqueles encontrados na parte ocidental de nosso planeta?

A imprensa burguesa, que sempre se destacou na arte de ignorar completamente os críticos proletários da Rússia ou da Iugoslávia, teria tido um duplo motivo para também silenciar Milovan Djilas. Primeiro: porque (ele também) os priva da possibilidade de combater o comunismo, condenando as condições russas; segundo: porque Djilas se opõe à exploração de uma classe por outra, o que é um fenômeno tão cotidiano no Ocidente quanto em Moscou ou Belgrado. No entanto, aconteceu o oposto.

Os jornalistas ocidentais fizeram o mesmo, que os leitores de Multatuli[9], que admiraram tanto mais seu autor favorito, quanto mais alto ele proclamou que os desprezava. Em vez de desprezar Djilas, eles o elogiaram.

No jornal suíço “Schweizer Wochenzeitung”, Djilas foi comparado em um editorial com o Philoxenos, um filósofo crítico e independente, que desaprovava os poemas do tirano Dionysios e, portanto, é punido por ser arrastado para as minas como um trabalhador forçado. Mais tarde, ele foi ordenado a ouvir novamente os poemas do tirano. Mas ele não ouviu por muito tempo e se levantou, e Dionysios perguntou-lhe para onde ele estava indo. “Às minas”, Philoxenos respondeu orgulhoso e destemidamente. O destino duro e miserável que o esperava ali lhe parecia mais suportável do que estar constantemente condenado a um fingimento inverídico, assim como Djilas também preferiu trocar funções estatais e dignidade por uma cela na prisão, em vez de ficar calado.

É claro, Djilas é um homem de coragem. Nós o admiramos como admiramos a coragem de Philoxenos. Presumimos que ele também era admirado na época. Mas nunca ouvimos que a resistência de Philoxenos ao tirano de Siracusa levou escritores fieis de outros tiranos a considerá-lo como seu queridinho de estimação.

Existe entretanto uma desculpa para o comportamento estranho destes críticos de livros no Ocidente.  Aquele livro de Milovan Djilas levou a cometer erros farsescos do mesmo tipo daqueles encontrados na “Farsa dos Erros” de William Shakespeare, onde seu herói, o Duque Soiinus de Éfeso, diz: “I know not which is which” [Não sei qual é qual].

Isto decorre, antes de tudo, do fato de que a crítica de Djilas à nova classe é, na forma, uma crítica ao comunismo.

Este fato é perfeitamente compreensível. Milovan Djilas, como já dissemos, é iugoslavo. Ele cresceu num mundo que se diz “comunista” e cujos representantes oficiais invocam Marx – mesmo que de forma totalmente errada. No prefácio de seu livro, o próprio Djilas afirma:

“Não me imagino conhecer outro mundo além do comunista, no qual tive a boa ou a má sorte de viver.” No momento em que ele se volta contra este mundo e a classe governante que o domina, ele se volta logicamente contra o comunismo.

Mas aqui surge uma peculiaridade. Quando Djilas começa a lutar contra o grupo governante do qual ele já foi membro, ele se aproxima automaticamente do proletariado europeu ocidental e americano, que, por sua própria natureza, está lutando contra qualquer forma de domínio de classe. Esta luta do proletariado ocidental, – independentemente das ideias que os trabalhadores ocidentais possam ter sobre suas próprias ações -, é essencialmente de caráter comunista. O marxismo é a expressão teórica da luta dos trabalhadores.

Djilas, em seu ataque ao chamado comunismo – devido a seu ambiente, devido ao fato de só conhecer esse “comunismo” como “comunismo” – é vítima de um mal-entendido. O que ele está realmente lutando não é o comunismo, mas o bolchevismo.

Seus admiradores burgueses também são vítimas deste mal-entendido porque, como Djilas, são incapazes de distinguir entre bolchevismo e comunismo devido à sua própria posição de classe e porque são formalistas que se deixam enganar pela forma anticomunista de crítica de Djilas.

Se abandonarmos esta forma e nos concentrarmos no conteúdo do argumento de Djilas, percebemos que ele – pelo menos várias vezes – faz um juízo semelhante ao juízo implacável que os marxistas da Europa Ocidental fizeram sobre o bolchevismo.

– 0 –

À primeira vista, pode parecer que o “mal-entendido” que acabamos de analisar não é tão grande quanto afirmamos e que Djilas realmente faz distinção entre o bolchevismo e o comunismo. Pois diz em seu livro: “O que está acontecendo no comunismo hoje tem pouco a ver com Marx e certamente não tem nenhuma conexão com as expectativas dele”.

Tem razão, mas estas palavras e afirmações semelhantes, que podem ser encontradas em seu livro, não nos dão motivos para reformular nossas opiniões. Pelo contrário, o próprio fato de Djilas falar aqui das “expectativas” de Marx, o fato de ele dizer em outro lugar que o fracasso dessas “expectativas” “reduziu (nossa ênfase) a posição de Marx à de um historiador e de um estudioso”, tudo isso mostra, em nossa opinião, a que grande confusão de conceitos ele é vítima. Poderíamos explicar isto em um argumento detalhado, mas preferimos demonstrar a visão de Djilas sobre o marxismo não indiretamente por este tipo de declarações, mas diretamente pelo que ele mesmo escreve sobre o assunto.

Djilas diz:

“As ideias básicas do comunismo são a primazia da matéria e a realidade da mutabilidade, ideias emprestadas dos pensadores do período imediatamente anterior ao nascimento do comunismo …. Dialética e materialismo – a alteração do mundo independente da vontade humana – foram a base do antigo comunismo marxista clássico …. A ideia da primazia da matéria foi emprestada aos materialistas franceses do século XVIII ….”.

Tudo isso está completamente errado! Marx e Engels não se basearam no materialismo francês do século XVIII. Eles tomaram uma posição severa contra este materialismo. A ideia da “primazia” da matéria (pode-se dizer: a ideia de que a matéria, o material, contém a chave para todos os problemas) não é deles.

Quando Friedrich Engels, em seu livreto sobre o filósofo Ludwig Feuerbach, quer deixar claro o que é o materialismo, ele o define, não como um ponto de vista, que toma a matéria como dado adquirido, mas como um um ponto de vista que toma a natureza como tal. Quando Marx, em suas “Teses sobre Feuerbach”, vem falar do velho (isto é, clássico, francês, século 18) materialismo, ele diz que o ponto de vista do materialismo é o ponto de vista da sociedade burguesa. O materialismo de Marx e Engels é bem diferente. Eles assumem o ponto de vista do proletariado. Mas como a luta da classe trabalhadora contra as relações capitalistas modernas não ocorreu diante dos olhos de Djilas, a diferença entre o materialismo burguês e o materialismo de Marx e Engels é completamente obscura para ele.

Esta diferença também era completamente obscura para Lenin, que não conhecia a luta do proletariado moderno, bem como de Djilas. Quando o marxista da Europa Ocidental Anton Pannekoek estudava em profundidade os fundamentos filosóficos do leninismo, ele chamou a atenção para o fato de que Lenin, em seu tratado filosófico “Materialismo e Empiriocriticismo”, considerava a natureza e a matéria como sendo idênticas e a este respeito ele ocupava a mesma posição que o materialismo burguês, assim como em muitos outros aspectos.

Quem ler o livreto de Pannekoek[10] encontrará nele provas convincentes da afinidade não só de Lenin, mas também de seu professor filosófico, Plekhanov, com o materialismo burguês. E também explica as imprecisões de Milovan Djilas. Coisas como “a primazia da matéria” e o materialismo francês não são encontradas em Marx, mas em Lenin. Onde Djilas pensa que está dando uma descrição dos fundamentos do marxismo, ele está de fato dando uma descrição dos fundamentos do … Bolchevismo!

– 0 –

Depois do exposto acima, ficará claro para o leitor que rejeitamos tudo o que Milovan Djilas disse sobre o marxismo em seu livro “A Nova Classe” como completamente errado. Mas isto não significa que rejeitamos o ponto de vista de Djilas. Não compartilhamos todos os seus pontos de vista, mas acreditamos que ele está do nosso lado da barricada no que diz respeito ao cerne da questão. Na verdade, ele está muito mais do nosso lado do que ele próprio suspeita.

Já escrevemos que a luta de Djilas contra o grupo governante bolchevique o aproximou naturalmente do proletariado. Como resultado, houve uma mudança em sua interpretação do marxismo. Em seu livro “A Nova Classe” quase não se encontram vestígios disso. Eles estão, no entanto, nos artigos que ele publicou no outono de 1953 na revista iugoslava “Borda”. Antes de tratarmos de seu livro, discutiremos primeiro estes artigos. Ao comparar estes artigos com “A Nova Classe”, temos uma ideia melhor da real posição de Djilas.

– 0 – 0 –

III. O desenvolvimento social como um processo histórico

Os artigos publicados por Milovan Djilas no decorrer de 1953 na revista iugoslava “Borda” são da maior importância para uma correta compreensão de seu desenvolvimento teórico e de sua posição. O mesmo pode ser dito da discussão destes artigos no plenário do Comitê Central do Partido Iugoslavo, em janeiro de 1954. Ao nos ocuparmos com estes artigos, não estamos de forma alguma pisando em linhas laterais. Pelo contrário! Os problemas que Milovan Djilas levanta em “Borda” são os mesmos de seu livro “A Nova Classe”. Foi a crítica à burocracia – da “Nova Classe” para usar a terminologia posterior – que levou Djilas a responder aos burocratas do partido. E quando se lê as publicações de Djilas nos jornais e revistas, está-se, por assim dizer, testemunhando o nascimento de suas ideias.

Em 6 de novembro de 1953, um artigo de Djilas apareceu em “Borda”[11] sob o título “Existe um objetivo?”, no qual se podia ler o seguinte:

” …. até agora nenhuma teoria proclamou um objetivo distante – último – que teria sido realmente alcançado. Isto não significa que as pessoas possam passar sem ideais distantes. Mas esses ideais distantes são acima de tudo a expressão das necessidades imediatas das pessoas e da compreensão do que constitui o essencial em sua própria era”.

E um pouco mais em frente:

“…. para Marx, o comunismo não é produto de gênio ou de desejos e objetivos nobres, mas de necessidade social. E o que é necessário, não é em essência um objetivo – pois esse objetivo não é estabelecido pela consciência dos homens – mas é um processo de eventos, um processo, às vezes calmo, às vezes em pleno movimento, consciente e espontâneo, revolucionário e gradual, em qualquer caso inevitável, como todos os outros processos objetivos da ‘história'”.

E noutro lugar:

“Quando as necessidades objetivas são concebidas como objetivos, isto leva não somente a um misticismo[12] teleológico[13], mas também, como regra, à apresentação de uma tarefa ou forma concreta (uma organização, uma série de medidas, etc.) como algo absoluto, como o ideal por alcançar finalmente, e leva depois à apresentação de nosso papel e ação subjetiva como coisas que podem criar leis objetivas, como a própria necessidade objetiva. Esta é também a base de toda a experimentação superficial dirigida por interesses específicos (de “praticidade”) e, em nossas circunstâncias, uma das principais fontes de burocratismo. Em termos concretos, apresentamos esta ou aquela medida ou forma de organização como algo que é pelo menos parte ou uma etapa no caminho para o objetivo final (socialismo, comunismo). E na realidade não existe tal coisa, não existe um objetivo final que tenha um efeito concreto e direto”.

Djilas usa aqui uma linguagem um tanto complicada, o que não torna fácil segui-lo. Mas se percebermos que nos países bolcheviques certas medidas políticas e econômicas são sempre apresentadas como “a realização de um pedaço de socialismo”, como um “passo no caminho para o objetivo socialista”, enquanto na realidade são bem diferentes, é mais fácil penetrar nos pontos de vista de Djilas. O caso torna-se ainda mais claro quando se lê como aproximadamente o mesmo argumento, despojado de sua forma filosófica, numa formulação completamente diferente, retorna em seu livro “A Nova Classe”. Djilas escreve em seu livro:

“Todas as mudanças trazidas pelos líderes comunistas são antes de tudo prescritas pelos interesses e aspirações da nova classe”… (pág. 59, na tradução holandesa)

“…. Estas reformas não são proclamadas pelo que realmente são, mas proclamadas como partes do “desenvolvimento do socialismo”! (pág. 63, na tradução holandesa).

O que Djilas acusa a burocracia, a nova classe dominante – com razão em nossa opinião – é o seguinte: que em seus escritos e declarações ideológicas, concebe o “socialismo” como um objetivo final, que conhece com precisão e que tem já totalmente preparado na cabeça, enquanto na realidade é o resultado de um processo histórico, que decorre de uma necessidade social.

Djilas acerta em cheio – até um ponto – dizendo que quem chega a encarar a necessidade objetiva como objetivo, também chega a considerar as organizações como algo absoluto e que, por cima, essa concepção é uma das principais fontes do burocratismo. Pois a burocracia de fato justifica sua existência pela afirmação de que conhece precisamente o “objetivo último”, e que desse conhecimento do objetivo os burocratas derivam o conhecimento da forma como ele deve ser alcançado, e que se deve, portanto, ter total confiança na política deles.

Existe de fato, como Djilas vê muito bem, uma estreita conexão entre o nascimento da burocracia e a visão de que se trata de alcançar um certo “objetivo final”. Mas pela maneira como Djilas o coloca, surge a impressão de que é a concepção (errônea) do socialismo como um ” objetivo ” que dá origem à burocracia, enquanto que na realidade a burocracia (a nova classe) surge como resultado de certos desenvolvimentos sociais, e que então, como  burocracia, ela só pode aderir às concepções (que deve haver um objetivo) que Djilas corretamente criticou.

Na verdade, isso também não está completamente certo, porque a burocracia bolchevique e a concepção bolchevique do socialismo como um objetivo a ser perseguido, surgiram ao mesmo tempo, em outras palavras, são dois momentos diferentes dum mesmo processo social.

Seja o que for, é claro que ao mesmo tempo que Djilas se opunha à visão de que “o socialismo é um objetivo a ser alcançado passo a passo, pedaço a pedaço”, a burocracia – que derivava de seu suposto ou real conhecimento deste chamado objetivo final um direito de governar e liderar a política – não podia deixar de se virar contra ele. Isto também explica porque Eduard Kardelj, que foi o principal porta-voz da burocracia no Plenário do partido iugoslavo, atacou em particular este artigo de Djilas, de forma extremamente afiada e leu em voz alto sobretudo citações do mesmo em grande extensão.

Claro que Kardelj não disse que, se Djilas tivesse razão, a burocracia não seria mais capaz de justificar sua dominação por referência a seu conhecimento do chamado objetivo final e, portanto, ficaria nua perante os olhos de todos, o que ela realmente é: uma nova classe. Não, Kardelj procurou provar, por receita infalível, que a visão de Djilas era “contrária ao marxismo”. E isto não foi muito difícil para Kardelj, porque ele entendeu que “marxismo” significava bolchevismo, ou seja, a forma como o marxismo é interpretado pela nova classe dominante e seguidamente utilizado como a ideologia dela (ou seja, uma teoria que justifica sua posição de classe). Com este bolchevismo, com esta concepção bolchevique do marxismo, as opiniões de Djilas são de fato diametralmente opostas.

O quanto as opiniões de Djilas e Kardelj se contradiziam é demonstrado pelo fato de que num de seus artigos em “Borda” (“Luta de classes”, publicado em 3 de dezembro de 1953), o primeiro falou de “uma intensificação da luta de classes (ênfase acrescentada) entre a burocracia e o povo”, enquanto Kardelj, em seu discurso no Plenário, quando veio falar sobre o Partido, definiu-o como “O instrumento duma aspiração consciente socialista e organizada” (ênfase acrescentada). Estas mesmas palavras confirmam tudo o que dissemos acima sobre a estreita conexão entre a visão de que deve haver “um objetivo” e a justificativa da burocracia (o partido) como tal.

Kardelj reprovou Djilas por ter perdido todo o contato com a realidade. Será que Kardelj estava sendo tão realista que tentou mostrar que na realidade não havia luta de classes em lugar nenhum entre a burocracia e o povo, como Djilas dizia? Não, Kardelj não queria fazer as coisas tão complicadas para si próprio. Ele usou o fato de Djilas não querer ver o socialismo como um “objetivo final” determinante da ação política, para meté-lo no saco do pai do reformismo, Eduard Bernstein, que havia proclamado há mais de meio século: “Para mim, o objetivo final não é nada, o movimento é tudo!”

Bernstein em nada se relaciona com o objetivo final, Djilas diz que o socialismo não deve ser visto como um objetivo final, em outras palavras, Djilas diz o mesmo que Bernstein, Djilas é, como Bernstein, um reformista que quer atirar o marxismo borda fora. Isto é, em resumo, toda a chamada prova de Kardelj, que naturalmente não considerou por um momento se a semelhança superficial, exterior, entre as palavras de Bernstein e certas frases do artigo de Djilas “Há um objetivo?” também significava que havia uma semelhança mais profunda entre eles, uma semelhança de acordo com o conteúdo de seus pontos de vista.

Em nossa opinião, não existe tal semelhança mais profunda entre Djilas e Bernstein, assim como não existe similaridade entre Djilas e Kardelj.  Ao contrário, as opiniões do escritor na revista “Borda” mostram, em nossa opinião, alguma semelhança com as seguintes afirmações:

“Para nós, o comunismo não é um estado que deve ser criado, um ideal ao qual a realidade terá que se conformar. Nós o chamamos de comunismo, o verdadeiro movimento que elimina o atual estado de coisas. (…) A história nada mais é do que a sucessão de gerações, cada uma das quais explora os materiais, capitais, forças produtivas que foram ultrapassadas por todas as gerações anteriores, e assim, por um lado, sob circunstâncias totalmente mudadas, continua a atividade que chegou até ela, e por outro lado, com uma atividade totalmente mudada, modifica as antigas circunstâncias, que agora podem ser especulativamente distorcidas de tal forma que a história posterior é feita o propósito da anterior (…) que então dá à história seu fim separado e a transforma em uma ‘pessoa entre outras pessoas’ (….)”.

Nestas sentenças a visão que considera as necessidades objetivas do processo histórico como objetivos finais é ridicularizada, como pode ver. A visão de que o comunismo é um “estado ou ideal” que deve ser perseguido é enfaticamente rejeitada. Nessas frases, tudo o que indica uma “teleologia” é banido. A caneta de onde elas saíram é a de Karl Marx; “A Ideologia Alemã” é o nome do livro em que as encontramos. E o leitor que compara as exposições de Djilas, que citamos, com estas palavras de Marx (ou com outras, tais como que os trabalhadores “não têm ideais a alcançar”) talvez entenda um pouco melhor o porquê e com que fundamentos afirmamos  num capítulo anterior, que Milovan Djilas, ao mesmo tempo em que se volta contra a nova classe dominante, se aproxima do proletariado europeu ocidental e às vezes interpreta o marxismo, a teoria da luta de classe proletária, de uma maneira diferente da que ele havia feito antes, quando era ainda um bolchevique.

– 0 – 0 –

IV. As inevitáveis limitações das críticas de Djilas

Quando Milovan Djilas escreveu seu estudo “O Início do Fim” em 1953[14], ele começou com as seguintes palavras:

“….. Uma pessoa, uma geração, aqueles que vivem sob uma certa ordem social só podem adquirir conhecimentos até certo ponto, limitados como estão pela duração de sua vida, pela época e pelas condições sociais em que vivem. Para entender a nova realidade é necessária uma nova prática e uma nova consciência. Mas a mente humana não é capaz de resignar-se a esta verdade; ela ‘funciona’ incessantemente, mesmo quando não é capaz de penetrar a nova realidade. Faz um esforço, combina, usando ao máximo seus talentos naturais e aqueles que adquiriu. Mas em vão ….”.

Dificilmente se encontrará uma declaração mais aplicável ao próprio Djilas e ao seu livro “A Nova Classe” do que esta.

Ao próprio Djilas! Seu desenvolvimento pessoal é um exemplo notável de como é difícil penetrar na nova realidade sem uma “nova prática” e uma “nova consciência”. A história de seus pensamentos e opiniões não é, de forma alguma, um fluxo calmo e regular. É como os rios que laboriosamente percorrem as escarpadas montanhas de sua pátria Montenegro. Algumas vezes há corredeiras repentinas, mas outras vezes curvas muito afiadas, que reconduzem a água muito atrás do local onde ela tinha penetrado pela primeira vez. Isto podia ser verificado com Djilas, entre outros, nos dias que antecederam a reunião do Comitê Central de seu partido, convocado para investigar seu “caso”.

Em 22 de dezembro de 1952, teve lugar uma conversa entre Milovan Djilas e Eduard Kardelj sobre os artigos que o primeiro havia publicado na revista “Borda”. No decorrer dessa conversa, Djilas desenvolveu a visão de que o Marechal Tito era o típico defensor da burocracia e que, portanto, ele, Djilas, mais cedo ou mais tarde teria que entrar em conflito com ele. Kardelj atacou o ponto de vista de Djilas e, durante a entrevista, Djilas declarou que retirou suas palavras, que elas não tinham significado em princípio, que o que ele acabara de dizer mal havia sido pensado por ele e que sua declaração não havia sido mais do que um impulso espontâneo, um pensamento fugaz que ele havia formulado sem fundamento suficiente.

Na (diríamos quase  histórica) sessão do Plenário do Comitê Central’ (referimo-nos à de 16 e 17 de janeiro de 1954) sobre “O Caso Djilas”, o próprio herói de nossa história disse, que os argumentos de seus críticos (dos quais Kardelj era o mais importante) o haviam convencido de seu erro. Ele também disse – e em breve nossos leitores entenderão porque consideramos estas palavras tão importantes – que ele havia tocado em certos problemas filosóficos que para ele próprio “ainda não eram totalmente claros”[15].

No final da reunião do Comitê Central, foi adotada uma resolução, que, entre outras coisas, dizia:

“Que os posicionamentos desenvolvidos por Djilas estavam fundamentalmente em desacordo com a linha política aceita pelo Sexto Congresso do Partido; que Djilas, por sua posição, havia se distanciado do Comitê Central e de todo o partido”.

Todos os presentes, incluindo o próprio Djilas, declararam-se a favor desta resolução[16].

-0-

Como se deve julgar agora este estado de coisas? Comecemos pelo último fato, o fato de que o próprio Djilas também deu seu voto à resolução, que declarou sua posição incompatível com a do partido e da liderança do partido.

Escrevemos agora quatro anos mais tarde. Se uma coisa ficou clara, é a seguinte: as duas posições são de fato incompatíveis. A posição de Tito, Kardelj, e outros deles é a posição da burocracia, a posição da “nova classe”, à qual Djilas, como mostra seu livro agora publicado, é diametralmente oposta. Como a resolução aceita na época nada mais diz do que existem duas posições que devem ser consideradas inconciliáveis, e esta resolução limita-se apenas a observar este fato, não há hoje absolutamente nada que impeça o autor de “A Nova Classe” de endossá-la.

Mas como encarar a observação de Djilas a Kardelj sobre a posição de Tito como “representante da burocracia”? Como julgar esta observação, que ele retirou quase imediatamente após tê-la feito? E sua afirmação de que os argumentos de Kardelj e outros o fizeram perceber “que não houve vitória da burocracia na Iugoslávia”?[17]

Como nos parece, Djilas tem lutado muito para obter os conhecimentos encontrados em seu livro “A Nova Classe”. É claro que a observação que ele fez a Kardelj em 22 de dezembro de 1953 está inteiramente de acordo com seus pontos de vista atuais. Em nossa opinião, o fato de que ele desejava vê-lo “como não dito” e o chamava de “mal considerado” pode ser explicado pelo fato de que, na época em que ele já estava ciente da posição real da burocracia, ele não era de modo algum capaz de abordar os fatos que observava diante de seus olhos com a ajuda de um método geral, uma teoria, para explicar os fenômenos sociais.

O que ele possuía nesta área em termos de bagagem espiritual, de armas espirituais, e que tinha sido dado desde a infância, era a teoria do bolchevismo. E foi precisamente com isso que ele nada pôde fazer. De fato, toda vez que ele punha suas observações à prova contra esta teoria (que é a teoria da nova classe dominante!), ele era obrigado a concluir que havia julgado completamente mal os fenômenos. Quando, no decorrer de suas análises, ele logicamente começa a chegar a outras visões no campo geral e filosófico, ele vê – devido à fraqueza do proletariado iugoslavo e às relações ainda não desenvolvidas em seu país – nenhuma conexão entre a realidade e sua formulação em termos gerais, abstratos e filosóficos. Daí sua afirmação de que o lado filosófico da questão não é de modo algum claro para ele.

Até hoje – e esta é a fraqueza do livro de Djilas que já apontamos – a filosofia da sociedade tem permanecido para ele uma área difícil. Portanto, o seu desenvolvimento mostra o seguinte curso:

Ele a realidade social de forma nítida e clara, mesmo que sua cabeça esteja recheada de ideologia bolchevique; quando compara os fatos descobertos com a teoria que lhe é familiar desde a infância e através de seu “clima” espiritual, ele (lembra-se de sua conversa com Kardelj e sua declaração no comitê do Partido) “corrige” suas observações; se a realidade continua a falar muito forte, ele resolve a contradição entre “teoria” e “prática” de tal forma que joga sua bagagem teórica borda fora. Isto é claramente visto em seu livro “A Nova Classe”. Um prelúdio a isto já pode ser visto em suas palavras – proferidas na reunião do Comitê Central – que ele “não acredita que estas questões filosóficas ainda sejam tão importantes”[18].

Tal é o destino de um homem que, para usar as próprias palavras de Djilas, “se esforça ao máximo com seus talentos naturais e adquiridos, e os combina, mas não tem nem uma nova prática nem uma nova consciência” …. pela simples razão de que a nova prática, ou seja, a prática revolucionária dos trabalhadores oprimidos e explorados pela nova classe dominante, ainda está na sua infância.

-0-

Djilas estava no caminho certo com sua afirmação de que “novos fenômenos sociais exigiam uma nova aplicação do marxismo”. Mas essas palavras, surgidas aparentemente acidentalmente de sua caneta num momento de melhor percepção, permaneceram isoladas. Djilas não podia fazer nada com elas. Ele não se deu conta de que as “heresias” filosóficas às quais ele se entregava eram muitas vezes os primeiros passos rumo ao marxismo. Quando ele joga fora sua bagagem filosófica, porque ela o atrapalha – obviamente atrapalha – no caminho que tomou, ele não substitui o bolchevismo pelo marxismo. Ele descarta o bolchevismo, acreditando que ele descartaria o marxismo. Também ele, nas palavras do próprio Djilas, “só podia adquirir conhecimentos até certo ponto, limitado como ele era por sua época e pelas condições sociais em que se encontrava”.

-0-

Chegamos assim, pelo desvio do desenvolvimento teórico de Djilas, de volta ao seu livro “A Nova Classe”, no qual, como já observamos num capítulo anterior desta brochura, ele ataca a posição teórica do bolchevismo, acreditando erradamente atacar o marxismo.

Depois de tudo o que discutimos nas páginas anteriores, não surpreenderá o leitor que nossa objeção ao livro de Djilas se deva principalmente à sua falta de uma visão teórica geral, uma falta que o impede de descrever os fatos em seu respectivo contexto mútuo, em seu desenvolvimento – embora descritos em nossa opinião muito corretamente. O que lhe falta completamente é a linha histórica e a perspectiva histórica. Mas mesmo assim …

Mesmo assim, o livro de Djilas – apesar da vontade dele – não deixa de dar saltos e passos nessa direção, devido ao fato de que em seu ataque à nova classe dominante ele se aproxima do ponto de vista proletário, sem o saber.

Anteriormente relatamos que Djilas foi comparado ao corajoso Philoxenos, que resistiu ao tirano de Siracusa. Mas conhecemos outra comparação ainda. No mensal alemão “Der Monat”, um certo Ernst Halperin comparou nosso herói com uma figura do famoso livro “1984” de George Orwell, ou seja, com a figura do escritor Emmanuel Goldstein, criado por Orwell, que com sua caneta afiada se opõe à ditadura do “Big Brother”, com quem Goldstein inicialmente trabalhou, assim como Djilas inicialmente trabalhou com Tito. Estamos convencidos de que esta comparação – como todas as comparações – tem defeitos. Mas há menos a dizer contra isso do que contra uma comparação de Djilas com algum herói da antiguidade clássica. Isto não é menos importante porque as ideias de George Orwell – testemunha, por exemplo, seu “A Fazenda dos Animais”, no qual ele se declara explicitamente a favor da ação independente do sujeito – estão muito mais próximas das nossas do que as ideias de, por exemplo, uma figura como Philoxenos, na qual é fácil descobrir um herói que todos os revolucionários burgueses escolheriam de bom grado como exemplo, assim como escolheram os heróis clássicos como exemplo várias vezes na história (especialmente nas revoluções burguesas em França e Inglaterra). Mas Djilas certamente não é um campeão da liberdade burguesa, porque a revolução burguesa não está na agenda em seu país, porque a luta, da qual ele é um precursor literário, é sobre coisas completamente diferentes.

-0-0

V. “A Nova Classe”

Depois de ter tratado nos capítulos anteriores o desenvolvimento de Djilas, seu crescimento e suas ideias, seu ponto de vista filosófico, por causa da ideologia bolchevique, sua posição num país onde as modernas relações de classe e os conflitos de classe só recentemente acabam de surgir, ou estão em vias de surgir, tudo isso em conexão com seus artigos teóricos e sua obra “A Nova Classe”, é agora hora de dar uma olhada mais de perto no livro.

Esta tarefa não é de forma alguma fácil. A fraqueza filosófica de Djilas, que já discutimos e tentamos explicar, prejudicou a composição. Os dez capítulos em que Djilas dividiu seu assunto não só têm valores e significados muito diferentes, mas de forma alguma formam um discurso rigorosamente lógico, em que cada seção subsequente se desenvolve a partir da anterior e fica conectada a ela.

Tudo o que está impresso nas páginas do livro de Djilas é, intencionalmente ou não, no fundo nada mais do que uma série de reflexões ou contemplações. Para ser mais claro e cru: é uma série de notas soltas, de “conversas”, como as “contemplações” do autor francês Georges Sorel, autor de “Reflexions sur la violence” (Reflexões sobre a violência) e “Matériaux d’une théorie du prolétariat” (“Material para uma teoria do proletariado”), eram “conversas”, “material”, ou seja conversas principalmente consigo mesmo, uma forma de pensar em voz alta.

Por isso é quase impossível para aqueles que querem chegar à essência e importância de “A Nova Classe” seguir Djilas de perto ou dar um breve resumo da forma como o livro está estruturado. Não se pode distinguir claramente o ponto de partida de Djilas e o caminho que ele segue de lá não está claramente definido. É por esta razão que sentimos que não podemos fazer melhor do que resumir o núcleo de suas opiniões em algumas citações e depois discuti-las brevemente em conexão com outras passagens do livro.

-0-

Milovan Djilas escreve [traduzido da versão holandesa]:

“Segundo a lógica abstrata, a revolução comunista[19] quando realiza sob condições diferentes e através da coerção do Estado, as mesmas coisas que são realizadas pelas revoluções industriais e pelo capitalismo no Ocidente, não é nada mais que uma forma de revolução capitalista estatal. As relações [de produção; F.C.] obtidas por sua vitória são relações capitalistas de Estado. Isto fica mesmo confirmado considerando que o novo regime também regula todas as relações políticas, trabalhistas e outras e, mais importante, distribui a renda nacional e torna úteis e distribui os bens que pouco antes foram nacionalizados” (pág. 36).

“A propriedade nada mais é do que o direito ao lucro e o direito ao controle. Explicando as vantagens de classe com este direito, os Estados comunistas introduziram, de fato, o princípio duma nova forma de propriedade, ou uma nova classe que domina e explora”. (pág. 37).

“Segundo a lei romana, a propriedade consiste no uso, desfruto e disposição de bens materiais. A burocracia política comunista usa, desfruta e dispõe dos bens nacionalizados” (pág. 43/44).

“A nova classe adquire seu poder, seus privilégios, sua ideologia e seu uso de uma forma especial de propriedade – a propriedade coletiva que a classe administra e distribui em nome do povo e da comunidade” (pág. 44).

“A chamada propriedade socialista é um disfarce de propriedade real da burocracia política” (pág. 46).

“Sempre que os comunistas chegam ao poder, seu ataque à propriedade privada cria a ilusão de que suas medidas se destinam principalmente a acertar contas com a classe proprietária em benefício da classe trabalhadora. Os eventos posteriores mostram que estas medidas não foram tomadas para este fim, mas para estabelecer seus próprios bens” (pág. 126).

“No comunismo, de acordo com a lei, todos são iguais no que diz respeito à propriedade. O proprietário formal é o povo. Na realidade, devido à gestão monopolista, somente o menor grupo de administradores detém os direitos de propriedade” (pág. 61).

“O comunismo de hoje não é apenas um partido de certo tipo ou uma burocracia criada a partir da propriedade monopolista e da intervenção excessiva do Estado na economia. Mais do que tudo, a verdadeira face do comunismo atual é a nova classe de possuidores e exploradores” (pág. 55).

“O monopólio que a nova classe estabelece sobre toda a sociedade em nome da classe trabalhadora é antes de tudo um monopólio sobre a mesma classe trabalhadora” (p. 42).

“No sistema comunista, o trabalhador não é igual a um escravo na antiguidade, mesmo quando está empregado num campo de trabalho: o escravo de outrora era tratado como uma coisa morta tanto em teoria como na prática. Mesmo o maior pensador da antiguidade, Aristóteles, acreditava que o homem ou nascia como homem livre ou como escravo. Embora ele defendesse o tratamento humano dos escravos e a escravidão reformada, ele ainda considerava os escravos como instrumentos de produção. No sistema ideológico moderno, não é possível tratar um trabalhador desta forma, porque somente um trabalhador educado e interessado pode fazer o trabalho necessário. O trabalho forçado no sistema comunista é bem diferente da escravidão na antiguidade ou nas épocas posteriores” (pág. 95).

“Sob o comunismo, o trabalhador é tecnicamente livre, mas sua capacidade de usar sua liberdade é muito limitada. A restrição formal da liberdade não é uma característica estreitamente associada ao comunismo; mas é um fenômeno que ocorre sob o comunismo. O fenômeno é particularmente evidente em relação ao trabalho e ao próprio estado trabalhador[20]. O trabalho não pode ser livre numa sociedade onde todos os bens materiais são monopolizados por um determinado grupo. A força de trabalho é indiretamente a propriedade deste grupo, embora não completamente, já que o trabalhador é um ser humano que consome parte de seu próprio trabalho. Em abstrato, o estado trabalhador como um todo é um fator da produção social total. A nova classe dominante, com seu monopólio material e político, utiliza este fator quase como utiliza outros bens nacionais e partes da produção, sem considerar o fator humano” (pág. 95/96).

“O fato de haver uma nova classe possuidora nos países comunistas não explica tudo, mas é a chave principal para entender as mudanças que estão ocorrendo periodicamente nestes países, especialmente na União Soviética[21]” (pág. 58).

“Todas as mudanças trazidas pela liderança comunista são primeiramente ditadas pelas interesses e aspirações da nova classe, que, como qualquer grupo social, vive e reage, se defende e avança com o objetivo de aumentar seu poder” (pág. 59).

“Para defender sua autoridade, a classe dominante deve sempre trazer reformas quando o povo se dá conta de que essa classe trata a propriedade nacional como se fosse sua própria. Estas reformas não são promulgadas pelo que realmente são, mas sim como partes do “desenvolvimento do socialismo” e da “democracia socialista” (…) A nova classe não pode evitar que surjam constantemente contradições sérias dentro dela; pois apesar de suas origens históricas, ela não consegue legitimar sua propriedade e não pode se refrear de se enfraquecer” (pág. 63).

“À medida que a nova classe se fortalece e toma uma forma mais clara, o partido começa a desempenhar um papel menos importante. O núcleo e a base da nova classe são formados no partido e no seu topo, bem como nos órgãos políticos do Estado. O partido outrora vivo, intimamente aliado, cheio de iniciativa, desaparece para se transformar na oligarquia tradicional[22] da nova classe, que atrai irresistivelmente aqueles que querem se juntar à nova classe e oprime aqueles que ainda tinham alguns ideais. O Partido faz a classe, e o resultado é que a classe se expande e usa o Partido como sua base. A classe cresce mais forte enquanto o partido fica mais fraco; este é o destino inevitável de qualquer partido comunista no poder” (pág. 40).

-0-

As citações acima, por menor que seja o número, permitem, pensamos, que nossos leitores formem uma impressão do ponto de vista de Djilas, que ele resume na página 144 de seu livro da seguinte maneira: O bolchevismo é “um sistema explorador” que é “oposto aos interesses do proletariado”. Acreditamos ter escolhido nossas citações de tal forma que tanto o lado forte quanto o lado fraco de Djilas são claramente revelados e que o leitor encontrará uma confirmação do que já dissemos sobre este livro e seu autor.

Quando se lê, por exemplo, que os bolcheviques criam a ilusão de que as medidas deles são principalmente “destinadas” a acertar contas com a classe proprietária em favor da classe trabalhadora, e que os eventos subsequentes mostram que estas medidas não foram tomadas para este “propósito”, mas para estabelecer sua própria propriedade, o autor está se afastando muito do ponto de vista que ele havia apresentado numa ocasião anterior em “Borda” em seu artigo “Existe um objetivo?”, e com o qual já nos familiarizamos[23]. Em “A Nova Classe”, Djilas fala dos “objetivos” dos governantes bolcheviques no lugar indicado de uma forma que esquece completamente o fato tão importante que o processo de desenvolvimento social desconsidera completamente suas intenções, boas ou más, de modo que Lenin já foi forçado a suspirar em um ponto:

“A máquina está a escorregar das mãos: Parece que está alguém ao volante, mas a máquina não vai para onde ele o conduz, mas sim para onde outra pessoa o conduz – alguém que é ilegal, que age ilegalmente, que vem de Deus sabe donde, especuladores ou capitalistas privados, ou uma pessoa qualquer. A máquina certamente não conduz no sentido,  que a pessoa ao volante dela quer (…) Quem está a liderar quem? Duvido muito que se possa dizer que os comunistas estão a liderar esta máquina. Para dizer a verdade, nós não lideramos, mas ela nos lidera.[24]

Djilas escreve que “eventos posteriores” mostrariam que as medidas bolcheviques foram tomadas com o objetivo de estabelecer sua própria propriedade. Isto não é correto. O fato é que, apesar das ilusões iniciais dos bolcheviques sobre sua tarefa histórica, as medidas bolcheviques têm como objetivo consolidar a nova forma de propriedade, pois este é o único desenvolvimento possível do ponto de vista social e de acordo com a função desempenhada pelos bolcheviques. Esta – nossa – explicação dos eventos, de forma alguma significa justificar as ações dos bolcheviques. Pelo contrário! A ação bolchevique não pode ser denunciada de forma mais contundente do que mostrando o quanto se enquadra objetivamente na estrutura de uma sociedade baseada em classes antagônicas e seu desenvolvimento.

As palavras de Djilas, que aparecem na última página (p. 182) de seu livro, que “os líderes comunistas não controlam suas ações, mas são forçados a essas ações pela realidade”, são consistentes com nosso ponto de vista. No entanto, é contrário a isto que Djilas fala em outro lugar em seu livro sobre os “objetivos” do poder bolchevique, enquanto ele próprio tenha argumentado corretamente em seu artigo “Existe um objetivo?”, que estamos lidando com necessidades objetivas, com um processo objetivo da história. Dissemos demais quando declaramos em um capítulo anterior que o lado filosófico da questão não é nada claro para Djilas e que, ao escrever “A Nova Classe”, ele simplesmente jogou borda fora a visão filosófica que estava ganhando?

-0-

O fato de Djilas falar do ‘estado’ trabalhador em vez da ‘classe’ trabalhadora, que agora não é  um estado social, embora os estados sociais anteriores na história fossem ao mesmo tempo uma classe; o fato de ele falar da ‘liberdade do trabalho’ em vez da ‘liberdade dos trabalhadores’, são imperfeições, que de forma alguma são devidas a um descuido acidental, mas que não queremos continuar a insistir[25]. Há observações ainda mais importantes a serem feitas sobre “A Nova Classe”.

Djilas diz em seu livro que o partido de Lenin foi o “início” da nova classe; acrescenta que não quer dizer “que o novo partido e a nova classe” foram os mesmos. Ele também observa que “na União Soviética e em outros países comunistas, tudo correu de maneira diferente do que os líderes esperavam”, o que, naturalmente, contradiz sua idéia de que eles pretendiam estabelecer sua própria propriedade. Mas apesar de tais observações, sua descrição de como a nova classe foi formada e surgiu, está faltando clareza.

O processo histórico, a imperatividade social, que Djilas enfatizou em ocasiões anteriores, não pode ser encontrado em nenhuma página de “A Nova Classe”. Em vez disso, há descrições e observações impressionantemente precisas, todas as quais, diríamos, não passam de “instantâneos”, que juntos – para continuar esta metáfora por um momento – não constituem em nada um filme. Quem quiser saber por que tudo na Rússia foi diferente do que os líderes esperavam, vai procurar em vão a resposta para sua pergunta no livro de Djilas. Um estudo como “Princípios básicos da produção e distribuição comunista”, publicado nos anos 30 pelo Grupo de Comunistas Internacionalistas (GIC), deu muito mais informações sobre esse ponto. E a falta dessa resposta, a falta de qualquer coisa que indique uma representação do processo de desenvolvimento social, torna alguns dos “instantâneos” de Milovan Djilas extremamente borrados.

-0-0-

VI. Críticos Errantes

Uma compreensão clara da posição teórica de Milovan Djilas é muito facilitada pelo estudo das críticas feitas a ele pelos trotskistas ou por grupos que, embora formalmente desligados do trotskismo, compartilham certas ilusões com os trotskistas. Tomemos primeiro como exemplo o breve relato de “A Nova Classe” dado pelo trotskista Pierre Frank no periódico “Quatrième internationale”, e em seguida passemos à revisão deste trabalho de Max Martin no jornal americano “Labor Action”.

As declarações de Djilas de que “as raízes da nova classe foram plantadas num partido especial do tipo bolchevique”, que Lenin não podia suspeitar que seu partido “seria o início de uma nova classe”, que “o partido é o núcleo dessa classe e é sua base” (pág. 39 e 40), são motivo para Frank fazer a observação desdenhosa de que, portanto, de acordo com Djilas

“a nova sociedade não nasce de forma alguma da subestrutura econômica e social da velha sociedade, mas de sua superestrutura.  É difícil afundar ainda mais no idealismo e no subjetivismo”[26].

Não gostaríamos de negar que a crítica de Frank encontra uma aparência de justificação em certas declarações feitas por Djilas, em seu uso descuidado das palavras e em sua formulação desleixada. Nós mesmos já assinalamos que se encontram certas contradições no livro de Djilas; não deixamos de chamar a atenção para suas fraquezas filosóficas, nas quais as muitas desleixadas e ambiguidades são amplamente explicadas. Mas Frank faz a Djilas uma grande injustiça ao concentrar seu ataque em algumas sentenças isoladas e ignorar completamente o fato de que Djilas tem muitas outras coisas a dizer sobre a origem social da nova classe.

No livro de Djilas encontra-se, entre outras coisas, a observação de que “a origem social da nova classe está no proletariado, assim como a aristocracia surgiu em uma comunidade de camponeses, e a burguesia em uma comunidade de comerciantes e artesãos” (pág. 41). Se esta comparação é válida em todos os aspectos, duvidamos. Mas o simples fato de Djilas usá-lo, o fato de ele não considerar explicitamente o partido e a classe como idênticos, o fato de ele tentar provar (na pág. 45) a existência de profundas diferenças de classe como uma realidade existente com a ajuda de números sobre salários e rendas e fazê-lo novamente (de uma forma um pouco diferente) na pág. 54, tudo isso junto é razão suficiente para rejeitar a acusação que Frank faz contra Djilas e para chamar a representação de Frank dos pontos de vista de Djilas de simplesmente uma caricatura.

Por mais estranha que seja a visão de Djilas sobre o marxismo, ele está longe de proclamar que a nova sociedade “nasceria da superestrutura”. Dificilmente se poderia esperar tal coisa de um homem que não deixa de reprovar a nova classe com um “ponto de vista ideológico” e que dá excelentes exemplos disso.

Djilas diz enfaticamente – o que Frank prefere ignorar – que as origens da nova classe “correspondem essencialmente às de outras classes”. Mas, acrescenta Djilas, “sua origem também tinha suas próprias características” (pág. 38). Ele não omite de forma alguma a menção dessas características “próprias”, aquilo que ele considera a mais importante. Está no fato de que as classes anteriores chegaram ao poder depois que novos “exemplos” econômicos foram formados na velha sociedade, enquanto a nova classe na Rússia só foi formada definitivamente depois de ter ganho poder.

Para um certo tipo de “marxismo” vulgar, que tende a correr na esteira de certos esquemas, esta é obviamente a maior heresia imaginável. Em nossa opinião, porém, Djilas não está tão longe da verdade com esta observação, que, naturalmente, encontra sua explicação nas relações sociais muito especiais na Rússia antes de 1917.

Em resumo, se a revolução burguesa na Rússia pudesse ter sido realizada pela velha burguesia, ter-se-ia de fato visto o fenômeno de que o poder burguês se baseava nas relações burguesas que já tinham se desenvolvido antes da revolução, como foi o caso da revolução burguesa no modelo clássico na França. Mas a velha burguesia estava demasiado ligada ao czarismo para ser revolucionária. Como classes revolucionárias, havia na Rússia apenas a classe operária (fraca) e os camponeses. Eles foram confrontados com a tarefa histórica de realizar a revolução burguesa contra a velha burguesia. Assim, a destruição da velha burguesia tornou-se inevitável; assim, a sociedade capitalista que surgiu na Rússia depois de 1917 foi algo diferente do culminar direto de um capitalismo que havia amadurecido no útero do feudalismo, embora fosse verdade que as novas relações sociais se desenvolveram a partir das antigas relações sociais. Mas eles não o fizeram de acordo com os clichês habituais, não como deveriam ter feito de acordo com os zelosos e irrefletidos copistas de Marx. Das circunstâncias sociais especiais surgiu uma revolução burguesa de um tipo especial.

-0-

Frank dirige outra acusação a Djilas, além daquela já mencionada aqui. Ele escreve que Djilas

“não se sente obrigado por um momento a fazer uma análise da economia da nova sociedade”[27].

Esta acusação é diferente da anterior. É correta – pelo menos em sua maior parte. Em qualquer caso, é um fato que Djilas nunca faz tal análise econômica, nem mesmo em seu capítulo “Dogmática da Economia”, onde seria de se esperar, nem em outros lugares onde ele faz abordagens nesta direção.

A acusação pode ser verdadeira, mas não é menos excêntrica e injusta porque vem de um trotskista, um trotskista de todas as pessoas, enquanto uma das características do trotskismo é que ele nunca se aventurou, e ainda não se aventura, a fazer uma análise econômica da sociedade russa depois de 1917. Uma falha, que foi cometida, em primeiro lugar, pelo próprio Trotsky.

Pode Pierre Frank nos dizer, onde Trotsky alguma vez considerou que “o capitalismo pressupõe trabalho assalariado e o trabalho assalariado pressupõe capitalismo”?[28] Trotsky declarou com razão antes da revolução de 1917 que o poder político do proletariado estava condicionado ao poder econômico do proletariado, mas ele se preocupou  alguma vez com o poder econômico do proletariado após essa revolução?

Em seu livreto “Capitalismo ou Socialismo”, que trata dos problemas da Nova Política Econômica de 1921, Trotsky proclama que – para alcançar a “construção socialista” – as forças produtivas devem ser desenvolvidas “tornando o salário do trabalho dependente da produtividade do trabalho”, que é exatamente o mesmo que a empreitada capitalista. Trotsky também escreveu no mesmo livreto que “a construção socialista deve ocorrer através da concorrência das empresas estatais com as empresas privadas e o mercado mundial” e que “os meios de concorrência são: proteção e redução dos custos de produção através da racionalização, padronização, aumento da produtividade com o mesmo salário, redução dos salários e extensão do tempo de trabalho”. A fim de evitar a questão legítima o que restará do socialismo em tudo isso, Trotsky assinala que “todos os gastos supérfluos com classes parasitárias são removidos”[29].

Mas isto não é de forma alguma prova de que estamos lidando com o socialismo. É algo que é mais ou menos inerente a todo jovem capitalismo. Marx aponta para o fenômeno na França antes do Thermidor[30] e na Turquia[31]. No livreto de Trotsky não há traços da noção de que em uma sociedade onde tais métodos de produção prevalecem, ocorre um processo de formação de mais-valia como no capitalismo e o trabalhador é um escravo assalariado explorado sem poder econômico. Esta falta sempre ficou com Trotsky também mais tarde. É assim até hoje com os trotskistas, para quem as análises econômicas de Marx, em particular, são um livro com sete selos.

Isto é também confirmado por uma observação que Pierre Frank faz a Djilas. Pois ele se refere ao autor de “A Nova Classe” ao conhecido “Critica do Programa de Gotha” de Marx e diz:

“Djilas não percebeu que Marx fez uma diferença entre produção e distribuição e disse que esta última seria realizada a princípio de acordo com uma lei burguesa. Ele também poderia ter observado que Lenin se baseou nestas observações e que Trotsky as havia usado para explicar o que havia acontecido na União Sovietica. Mas ele está acima disso ….”, etc[32].

Se alguém ler a passagem em questão na “Crítica do Programa de Gotha”, torna-se claro que somente tirando frases completamente fora de contexto e omitindo outras, somente virando os escritos de Marx completamente de cabeça para baixo, pode-se alcançar a estrutura de pensamento que se encontra em Pierre Frank nas pegadas de Lenin e Trotsky.

Falando deste problema, Marx diz:

“Aquilo com que temos aqui a ver é com uma sociedade comunista, não como ela se desenvolveu a partir da sua própria base, mas, ao contrário, tal como nasce da sociedade capitalista; [ênfase de Marx], tal e qual em todos os aspectos – econômicos, morais, espirituais – ainda carregada das marcas de nascença da velha sociedade, de cujo seio proveio. Em conformidade, o produtor individual recebe de volta – depois das deduções[33] – aquilo que ele lhe deu.[34]

Mais em frente diz:

“Ele recebe da sociedade um certificado de quanto trabalho, aqui e acolá, prestou (após dedução do seu trabalho para o fundo comunitário) e, com esse certificado, extrai do depósito social de meios de consumo tanto quanto o mesmo custou em montante de trabalho. A mesma quantidade de trabalho que ele deu à sociedade sob uma forma, recebe-o ele de volta sob outra.[35]

Imediatemente a seguir, Marx diz que aqui

“.. reina o mesmo princípio que regula a troca de mercadorias” mas “… conteúdo e forma alteraram-se, porque, nas circunstâncias alteradas, ninguém pode dar algo exceto o seu trabalho e porque, por outro lado, nada pode transitar para a propriedade dos indivíduos a não ser meios de consumo individuais.[36]

É a esta situação que se referem suas palavras sobre a sobrevivência do direito civil. Como um produtor difere física e mentalmente dum outro, o direito igual, para a mesma quantidade de trabalho, à mesma quantidade de bens de consumo é uma injustiça. Ainda mais quando um trabalhador é casado e o outro não. Mas Marx explica porque este desenvolvimento é inevitável. Somente em uma fase posterior é que “cada um de acordo com suas habilidades, cada um de acordo com suas necessidades[37]!”

Do citado acima, onde é feita referência explícita a um recibo de que o produtor recebe do trabalho que forneceu, a uma situação em que o trabalhador recebe de volta da sociedade com precisão o que lhe deu, é óbvio que aqui se assume uma situação social, em que o trabalho assalariado, a venda de força de trabalho, com o resultado de que o trabalhador não recebe de volta da sociedade o que lhe deu, foi abolida. Na Rússia isto nunca foi o caso.

Então, quando Pierre Frank censura Djilas por não ter pensado na “Crítica do Programa de Gotha” em suas explicações sobre as ações da nova classe na Rússia, ele está jogando um bumerangue de volta em sua própria cabeça. Pois é algo particularmente rude defender situações na Rússia resultantes das circunstâncias em que existe trabalho assalariado, com uma citação de Marx referente a uma situação em que o trabalho assalariado foi abolido.

-0-

Entretanto, é nossa convicção que não basta que um crítico observe um “erro”. Ele também deve ser capaz de explicar – para entender completamente – de onde vem esse “erro “.

Por que, então, Pierre Frank (e o próprio Trotsky) é tão grosseiramente inadequado quando se trata da análise econômica da sociedade russa? Porque, a resposta é, eles querem insistir que após a Revolução de outubro não surgiu nenhuma nova classe dominante, mas apenas uma “burocracia”.

Djilas – com muita razão – argumenta enfaticamente contra isto, que definitivamente não estamos lidando com uma burocracia, mas com uma classe. Por mais que falte muito no livro de Djilas uma análise econômica, a este respeito ele ainda está bem acima das reflexões de Frank, que ousa censurar Djilas com deficiências econômicas.

-0-

É precisamente o ponto de “burocracia”, ou seja, a caracterização social do “regime de Lenin-Trotsky”, que é também o ponto fraco do americano Max Martin, cuja resenha do livro de Djilas, aliás, mostra infinitamente mais compreensão e está num nível muito superior ao da peça de Frank no jornal oficial dos trotskistas. No entanto, no ponto que estamos discutindo, Martin está cometendo o mesmo erro que Frank, um erro do qual Djilas, a julgar pelo que ele diz em seu livro, há muito foi curado.

Martin diz que quando se lê “A Nova Classe” tem-se a impressão de que Djilas está juntando a era de Lenin e a de Stalin (ao falar da nova classe). É precisamente o fato de Djilas remontar aos dias de Lenin, que consideramos uma das qualidades de seu livro.

Para Martin, assim como para os trotskistas, o leninismo é igual ao marxismo. Mas isso não impede que Martin enfatize repetidamente o grande valor do livro de Djilas. Ao contrário de Frank, que se agarra à forma das formulações de Djilas e não penetra nem por um momento no que está sob a superfície, o revisor americano tenta cavar mais fundo. Ele escreve que Djilas, “que passou sua vida identificando o stalinismo com o leninismo, teve que jogar fora o leninismo quando rompeu com o stalinismo, confundindo-os injustamente”[38]. Esta é uma tentativa – simpática – de compreensão, mesmo que não seja bem sucedida. Martin está errado quando diz que Djilas confunde Stalinismo com Leninismo. Djilas vê a diferença muito bem, mas … ele também vê o que têm em comum, o que Martin não vê. A frase de Martin, citada há pouco, devia ler – como argumentamos no Capítulo II – que Djilas (como resultado de seu desenvolvimento) confunde o bolchevismo com o marxismo. Mas Martin dá pelo menos um pequeno passo na direção certa, enquanto Frank censura Djilas por não saber a diferença entre Stalinismo e comunismo; por “comunismo” Frank quer dizer Leninismo, que ele próprio não sabe distinguir do comunismo.

-0-

Temos que lidar com Pierre Frank mais uma vez aqui. Além das coisas que já discutimos, ele atira outra coisa em Djilas. Ele diz que o autor de “A Nova Classe”, onde ele discute as mudanças na Rússia após a morte de Stalin, não presta atenção:

“para as massas que Khrushchev et al. estão forçando a manobrar”[39].

Também neste ponto, estamos inteiramente ao lado de Djilas e contra os trotskistas, que atribuem à resistência proletária as mudanças de rumo em Moscou e lhes atribuem um significado que, em nossa opinião, eles não merecem de forma alguma. Quando Djilas escreve:

“No XX Congresso do Partido, Khrushchev defendeu a ‘necessidade de terror contra ‘inimigos’, em oposição ao despotismo de Stalin contra ‘bons comunistas’. Khrushchev não condenou os métodos de Stalin como tais, mas apenas seu uso na própria classe dominante” (p. 140).

Então, como os acontecimentos na Hungria provam, ele está muito mais próximo da realidade do que o trotskista Frank. E quando Frank, como ele faz no “Quatrième internationale”, observa que Djilas abandonou “o critério de classe”, que não aplica os padrões de classe, nós contrariamos que Djilas tem toda a razão em deduzir as mudanças na política da nova classe a partir dos interesses da classe dominante. Assim, ele se posiciona em uma base material sólida; ele adota uma posição particularmente realista quando (na pág. 140) ele argumenta antecipadamente contra críticos do tipo de Frank que se deve ver as mudanças de rumo de Khrushchev, na medida em que elas também beneficiam o povo, de tal forma que a “oligarquia dominante também deixa cair algumas migalhas para o povo”.

-0-0-

VII. Resumo

Para resumir, gostaríamos de dizer o seguinte sobre o livro de Djilas: Não há razão para rotular esta obra – como faz a editora holandesa – como “o manifesto anticomunista (leia-se: anti-Bolchevique)”. Trabalhos como “Lênin como Filósofo” de Pannekoek e “Princípios Fundamentais da Produção e Distribuição Comunista” do GIC fazem um ataque ao bolchevismo muito mais fundamental e por isso tremendamente mais rigoroso.

Certamente também não é correto caracterizar o livro de Djilas, novamente segundo a editora holandesa, como uma obra, que fornece uma crítica impiedosa do “comunismo” usando o método dialético de “Das Kapital” de Karl Marx. Djilas é precisamente muito pouco dialético para isso; para isso está muito em desacordo com a dialética.

Ainda mais errado é afirmar que “A Nova Classe” é “uma contribuição ao conflito ideológico que divide o mundo livre e o comunismo que é difícil de avaliar” e que Djilas “expõe os defeitos do comunismo”. Esta é a opinião de Constantin Fotitch, ex-embaixador da Iugoslávia em Washington, expressa na revista mensal “Western World” [Mundo Ocidental][40].

Nossa opinião, explicada nos capítulos anteriores, é que Djilas não denuncia os defeitos do “comunismo”, mas do bolchevismo, e que seu livro, portanto, nada tem a ver com o chamado conflito entre Oriente e Ocidente, mas tudo a ver com uma luta contra ilusões e falsas ideologias na mente dos trabalhadores dos países bolcheviques. Mas Constantin Fotitch não consegue ver isso. Escolhido pelos editores do “Western World” para avaliar o trabalho de Djilas, ele era o menos qualificado para fazê-lo, precisamente porque foi apanhado pela ideologia da “nova classe” e liberado dela de uma maneira completamente diferente de Djilas.

Mas como então qualificar o livro de Djilas? Ao autor de “A Nova Classe” aplica-se o que Marx disse uma vez sobre os teóricos em geral em seus escritos contra Proudhon:

“À medida que a história continua, e com ela a luta do proletariado se torna mais visível, eles não devem mais procurar a ciência em suas cabeças; eles têm apenas que prestar contas do que está acontecendo diante de seus olhos, e fazer-se o órgão da luta de classes”[41].

Dar conta do que está acontecendo diante de seus olhos é o que Milovan Djilas faz. E ao fazer isso, ele tira a cortina ideológica que a nova classe traçou entre si e os oprimidos para justificar sua dominação, para camuflar sua verdadeira posição social. É esta cortina que está em jogo na posição em relação ao bolchevismo, não a chamada “cortina de ferro”, que se repete incessamente nas reflexões dos jornalistas burgueses. O fato de Djilas, à sua maneira, contribuir para tirar a cortina ideológica, de ajudar a tirar a máscara comunista do bolchevismo, atrás da qual esconde seu domínio de classe e exploração, sua opressão política e seu engano aos trabalhadores, é o grande significado de seu trabalho. Só por isso, ele se torna um dos proclamadores da luta vindoura entre a nova classe dominante, de um lado, e o proletariado, de outro.

-0-0-

Apêndice 1. Uma má tradução

Quando Ernst Halperin revisou a edição inglesa do livro de Djilas em “Der Monat”, ele reclamou sobre a qualidade da tradução. Milovan Djilas, comentou, é conhecido como um estilista cuidadoso, que escreve em uma linguagem florida e cujas frases estão repletas de alusões bem escolhidas à literatura servo-croata. No texto em inglês, ele continuou, ocasionalmente se encontram frases incompreensíveis até mesmo para alguém bem versado na terminologia do marxismo. Halperin expressou então a esperança de que uma tradução alemã não fosse baseada no texto inglês, mas no manuscrito original, e que um especialista em língua e literatura eslava fosse utilizado.

Não vimos a edição em inglês de “A Nova Classe” e, portanto, não podemos julgá-la. Sabemos só que a tradução holandesa também é muito ruim em alguns lugares e que envolveu claramente alguém que não percebe nada dos assuntos de que Djilas tratou. Não apenas os termos marxistas são completamente manchados aqui e ali, mas também os títulos de certos livros. Veja alguns exemplos escolhidos de forma aleatória.

Na página 9 lê-se: “A ideia da Realidade da Mutabilidade, nascida na luta com adversários chamados Dialéticos …” deva ser aparentemente “os contrários” e “a dialética[42].

Na página 14, o título do famoso panfleto de Lenin “Esquerdismo: Doença Infantil do Comunismo” é mutilado para … “A confusão infantil do comunismo de ‘esquerda'”.

O fato de que na página 111 o livro de Lênin “Materialisme en Empirie-criticisme” é mencionado, embora o título correto desta obra seja “Materialismo en Empirio-criticisme”, é talvez devido a um erro tipográfico, assim como o fato de que o ano de 1909 é mencionado como o ano de publicação, embora devesse ser 1908. Mas todo esse desleixo é, de qualquer forma, lamentável.

Mas é evidente que ainda damos com alegria as boas vindas à edição holandesa de “De Nieuwe Klasse” (publicada por H.J.W. Becht em Amsterdã; traduzido por G.W. Overdijking).

-0-0-

Apêndice 2. A volta pelos tribunais

Não existe nenhuma classe dominante que se permita ser ridicularizada. A “nova classe” nos países bolcheviques não faz exceção a esta regra. A nova classe dominante na Iugoslávia também não faz. Por isso, em 19 de novembro de 1956, a polícia de Tito bateu na porta da humilde casa de Djilas, na Rua Palmoticeva no. 8, em Belgrado. A chegada dela não causou surpresa nem consternação aos residentes. Ela era esperada. Tantas vezes Milovan Djilas teve que lidar com as consequências desagradáveis de sua luta contra a burocracia e os novos dirigentes, que deve  já ter sabido o que o aguardava.

Quando Djilas teve que responder perante o Plenário do Comitê Central em 16 e 17 de janeiro de 1954, tudo terminou silenciosamente. Ele só foi privado de suas funções no partido e no Estado, mas pôde permanecer como membro do partido e nenhum obstáculo foi colocado em seu caminho. No entanto, quando Djilas não parou de dizer o que pensava ser necessário, quando expressou sua opinião em uma entrevista com o “New York Times”, por exemplo, ele foi preso e julgado.

Em janeiro de 1955, Djilas foi condenado a um ano e meio de prisão por “propaganda hostil”. Mas a sentença não foi cumprida. A pena foi suspensa por um período de três anos. Mas embora tivesse um pé na prisão a partir de então, Milovan Djilas não pensou em ficar silencioso. Ele escreveu uma série de artigos para uma agência de notícias internacional e para um jornal francês, e logo após o início da revolta na Hungria, ele publicou sua opinião sobre os eventos na revista americana “New Leader” [Novo Líder]. A chegada da polícia já estava iminente. Milovan e sua esposa Stefanie sabem que ela está chegando. E pôde chegar: o manuscrito de “A Nova Classe”, o livro no qual ele tem trabalhado ininterruptamente durante o último ano, com um carro da polícia na esquina da rua e a sua casa permanentemente sob observação, o livro já está fora da Iugoslávia…

Em dezembro de 1956, Djilas se apresentou novamente diante de seus juízes. O artigo no “New Leader” o colocou três anos na prisão.

Enquanto ele está na prisão, seu livro, contrabandeado para fora do país, é publicado nos Estados Unidos. E novamente Djilas é colocado em julgamento, pela terceira vez.

Em 4 e 5 de outubro de 1957, o julgamento contra o autor de “A Nova Classe” é realizado na pequena cidade provincial iugoslava de Sremska Mitrovica. Um julgamento secreto, porque a nova classe dominante não se atreve a realizar um julgamento público. Desta vez, a pena é de sete anos de prisão. Estes serão combinados com a sentença que ele já está cumprindo, de modo que a partir de outubro de 1957 ele terá que passar mais oito anos e um mês e meio na prisão. Cinco anos após sua libertação, ele será privado de todos os direitos civis e todas as condecorações anteriormente concedidas a ele serão tiradas. Como que para confirmar quão certo estava Djilas quando acusou o regime de intolerância …

-0-0-

Apêndice 3. A critica do social democrata Jacques de Kadt

Em “Het Parool” de sexta-feira 18 de outubro de 1957, o membro do P.v.d.A.[43] Jacques de Kadt publicou sua opinião sobre o livro “A Nova Classe” de Milovan Djilas. Ele diz que Djilas não fez “nenhuma descoberta surpreendente” e que “quem descubra séries de descrições corretas e argumentos irrefutáveis, deve ter em mente que quase tudo isso já havia sido dito quando o jovem Djilas se juntou à C.P. Iugoslava”.

Consideramos esta observação correta. Nós mesmos também o observamos no primeiro artigo que dedicamos ao livro de Djilas (em “Spartacus” de 28 de setembro de 1957)[44].

De Kadt também diz que muitas fraquezas podem ser encontradas no livro de Djilas, “fraquezas decorrentes da contínua aderência aos dogmas marxistas”.

Consideramos esta observação completamente incorreta, antes de tudo porque é muito tolo falar de “dogmas marxistas”. Porque não existem e porque o marxismo se opõe precisamente a todos os dogmas.

Mas mesmo que De Kadt tivesse se expressado melhor e dito que as fraquezas de Djilas resultam do fato de que ele ainda mantém o método do marxismo, nós ainda discordaríamos. Djilas não adere ao marxismo pela simples razão de nunca ter sido marxista. Ele era um bolchevique. Na medida em que ele se torna em certa medida o porta-voz da classe trabalhadora, ou melhor, expressa a luta vindoura do proletariado contra a nova classe já na forma literária, pode-se talvez dizer que ele está a caminho de se tornar um marxista.

Que seu livro tem muitas fraquezas é verdade. Mas estas fraquezas não são uma consequência de Djilas “agarrar-se ao marxismo”, não, pelo contrário, são uma consequência de não analisar a realidade que ele vê, com a faca afiada de dissecação do marxismo.

Além disso, duas coisas nos impressionaram no artigo de De Kadt em Het Parool:

Em primeiro lugar, quando ele aponta – com razão – que quase tudo no argumento de Djilas já foi dito “antes”, ele menciona casualmente Rosa Luxemburgo, Herman Gorter e … Bertrand Russell. Os dois primeiros nunca devem ter sonhado em ser mencionados no mesmo fôlego que o filósofo britânico em voga. O que importa para nós é que De Kadt só os menciona de passagem, sem sequer indicar qual foi sua contribuição para as críticas ao bolchevismo.

Agora não nos importaríamos tanto – afinal, um artigo de jornal oferece poucas oportunidades para entrar em detalhes – não fosse o fato de De Kadt, depois de ter estabelecido “que este tipo de dissecação … continuou até os dias atuais”, não diz completamente nada sobre este tipo de dissecação, mas encontrou, sim, espaço para dizer algo mais sobre outro tipo de dissecação: a sua própria dissecação em seu livro “Van Tsarisme tot Stalinisme” [Do Czarismo ao Stalinismo], publicado em 1935, do qual ele – modéstia nunca foi um distintivo de honra para De Kadt – não deixa de mostrar que ele acha que é melhor que o de Djilas. Uma opinião de De Kadt, que naturalmente deve ser muito lisonjeadora para … De Kadt.

Por que, nos perguntamos, De Kadt se refere tão enfaticamente à sua crítica de 1935? Por que ele esconde tão cuidadosamente todo o trabalho teórico do GIC, que foi construído sobre os alicerces lançados por Rosa Luxemburgo e Gorter e que completou a construção de uma crítica fundamental da essência do bolchevismo ?

Agora chegamos ao que nos impressionou em segundo lugar no artigo de De Kadt. Ele escreve: “… este tipo de dissecação não impediu o crescimento do comunismo” nem “minou o próprio sistema”. E ele acrescenta: “[o fato] que praticamente tudo do gênero já havia sido dito … não impediu a adesão de Djilas (ao PC iugoslavo), assim como o livrinho de Djilas e os fatos da Hungria também não impedirão a adesão de muitos jovens idealistas e muitos mais famintos de poder frustrados[45], em todo o mundo”.

De Kadt sabe bem! A crítica de Rosa Luxemburgo em 1918, a crítica de Gorter em 1920, não o impediu de – como ele mesmo disse – “permanecer no vestíbulo da Igreja Comunista”; a crítica do GIC no final dos anos 1920 não o impediu de flertar na OSP[46] com o trotskismo, que não é nada mais que um certo tipo de bolchevismo. Foi só em 1934 que De Kadt chegou a uma crítica geral ao bolchevismo que era muito inferior à crítica do GIC, para não mencionar as críticas feitas por Pannekoek em 1938, que De Kadt também ignorou.

Em vez de preferir apontar esta crítica de princípio, que toma uma posição de onde se pode ver as fraquezas de Djilas muito mais claramente do que o nosso De Kadt[47], De Kadt prefere se referir a De Kadt antes de tudo. Chamamos isso, em uma alusão ao título de um de seus livros, de uma “preferência errada”. E quando De Kadt nos diz que não vê porque sua preferência é tão errada, nós lhe respondemos com a primeira frase em seu livro “Preferência Errada”, que diz que “ninguém gosta de admitir de si mesmo que tem preferências erradas” e que ele não faz de forma alguma uma exceção a essa regra.

Será que a preferência de De Kadt, nos perguntamos, deriva do fato de que ele quer manter as primeiras críticas ao bolchevismo na sombra o máximo possível, de modo a lançar o mínimo de luz possível sobre o fato de que ele ainda estava alto e seco num partido bolchevique, muitos anos depois que o bolchevismo foi desmascarado como o domínio de uma nova classe?

Culpamos De Kadt por estar no C.P. depois de Gorter e Pannekoek? Culpamo-lo por, apesar das críticas fundamentais do GIC ao bolchevismo enquanto tal no final dos anos 20 e início dos anos 30, ele ainda olhar para Trotsky? Claro que não! Assim como não culpamos Djilas por ser um bolchevique numa época em que a natureza de classe do bolchevismo já havia sido desmascarada há muito tempo!

Quando De Kadt diz que “este tipo de dissecação não impediu o crescimento do bolchevismo, nem o minou”, assim como os fatos da Hungria não impedirão a entrada de muitas pessoas – assim como os fatos de Kronstadt não impediram De Kadt de permanecer como membro – nós concordamos plenamente com ele. Mas, acrescentamos, é muito errado medir a importância das obras de Rosa Luxemburgo, de Gorter e Pannekoek, do GIC e agora de Djilas pelo desenvolvimento do bolchevismo e para a pouca influência que tinham. É nossa forte impressão que De Kadt faz isso porque ele os vê como cartuchos em branco que foram disparados com as mais sérias intenções, mas que não fizeram brecha nenhuma nas grossas paredes do Kremlin.

Na realidade, o significado da crítica ao bolchevismo não reside em seu efeito sobre este sistema. O desenvolvimento do bolchevismo não é determinado por certos escritos, mas pelas relações sociais. A crítica ao bolchevismo é a expressão teórica da luta de classes proletária na Europa Ocidental ou na América. Ela resume as experiências da revolução russa, mas não com a expectativa de derrubar os governantes russos. Isso é algo que só pode acontecer através da ação do proletariado russo. A crítica resume as experiências do bolchevismo a fim de obter uma melhor compreensão da sociedade e das leis de desenvolvimento que a governam em sua própria luta diária.

As críticas de Rosa Luxemburgo, Herman Gorter, o GIC, etc. representam cada vez uma certa etapa no processo de amadurecimento da classe trabalhadora da Europa Ocidental. Isto é algaraviada[48] para De Kadt, porque para ele, como para os bolcheviques, o socialismo é um “movimento de elite”, uma questão de intelectuais.

Qualquer pessoa que interpreta as coisas desta maneira, deve atribuir um significado muito diferente aos escritos do que nós. Se, apesar dos escritos, um certo sistema ainda não entrou em colapso, então de alguma forma algo deve estar errado com os escritos, mesmo que alguns escritos (de De Kadt, é claro) sejam melhores do que outros. Quem pensa assim, aplica padrões intelectuais aos escritos, em vez de medi-los às relações de classe. Enquanto o autor continua a chamá-los de “livrinho”, ele sugere que tem o direito de se livrar deles com um “livrinho de bazófia[49]”. Mas tais qualificações não esclarecem as relações de classe e a posição de classe, que estes escritos expressam[50].


[1] Grupo de Comunistas Internacionalistas (G I.C.) é um grupo marxista, que se nomeou desta forma para expressar a diferença entre si e os bolcheviques nacionalistas e pró-russos.

[2] Milovan Djilas, “Quelques questions concernant le travail théorique”, “Questions Actuelles du Socialisme”, maio-junho de 1951, pág. 2 e 3.

[3] M. Djilas “Reflexions diverses”, “Questions, etc.”, novembro-dezembro de 1951.

[4] Idem, outubro-novembro de 1952, pág. 6.

[5] Milovan Djilas, “Les fins qui préludent”, (“O início do fim”) “Questions, etc.”, julho-outubro de 1953.

[6] “Le cas M. Djilas devant le plénum du comité central” idem Jan-Fev, 1954. pág. 4.

[7] Milovan Djilas, “Les fins qui préludent”, “Questions, etc.”, julho-outubro de 1953, pág. 55.

[8] Idem, “Reflexion diverses”, “Questions, etc.” Novembro-Dezembro 1951, pág. 7.

[9] Escritor holandês que criticou amargamente a política colonial da Holanda. (Nota do Tradutor)

[10] A. Pannekoek, “Lenin als Philosoph” publicado na língua alemã como uma edição do GIC em 1938. Edição em inglês “Lenin as philosopher”, Nova York, 1948.

[11] Citamos este e outros artigos de Djilas do que apareceu em “Questions Actuelles”, etc. (No. de janeiro-fevereiro de 1954) sobre a sessão de Plenum.

[12] Misticismo = doutrina de segredos obscuros.

[13] Teleologia significa doutrina de eficiência ou de propósito.

[14] Milovan Djilas, “Les fins qui préludent”, “Questions Actuelles du socialisme”, julho-outubro de 1953, pág. 25.

[15] Discurso de Djilas no Plenário do Comitê Central, citado de “Questions actuelles du socialisme”, no. 22, janeiro-fevereiro de 1954. pág. 90.

[16] Os detalhes da conversa entre Djilas e Kardelj são extraídos das comunicações de Kardelj no Plenário (“Questions actuelles”, nº 22, pág. 44 e 45).  A resolução da qual falamos aparece na mesma edição na página 95.

[17] Segunda declaração de Milovan Djilas ao Plenário do Comitê Central, “Questions actuelles du socialisme”, no. 22, pág. 89.

[18] Segunda declaração de Milovan Djilas ao Plenário do Comitê Central, “Questions actuelles du socialisme”, no. 22, pág. 90.

[19] Djilas (claro) fala em toda parte de “comunismo” em vez de usar a palavra “bolchevismo”. Deixamos isso inalterado nas citações, mas o leitor deve, é claro, estar sempre ciente do que significa.

[20] A palavra “estado” em “estado trabalhador”, mencionada 2 vezes na citação de Djilas, é a tradução do holandês “arbeidersstand” em que a palavra “stand” refere à sociedade feudal que conhecia 3 estados ou ordens: o clero, a nobreza e o povo. Não se sabe que definição Djilas usou nesse conceito ou se trata aqui dum erro de tradução da palavra “classe” da língua servia. (Nota do Tradutor)

[21] Djilas fala da “União Soviética”. Preferimos falar de Rússia, porque os “soviéticos”, os Conselhos de Trabalhadores, criados na revolução de 1917, há muito tempo foram liquidados pelo partido e pela nova classe.

[22] Oligarquia = governo de poucos.

[23] Veja o capítulo III desta brochura.

[24] W.I. Lenin, “Samtliche Werke”, Band XVIII, 2, Halbband, pág. 35 e 43.

[25] Estas imperfeições podem ser devidas ao tradutor do texto sérvio como mencionamos na nota de rodapé 20. Veja também o Apêndice 1. (Nota do Tradutor)

[26] Quatrième internationale”, outubro-novembro de 1957, pág. 75.

[27] Idem.

[28] Cf. Karl Marx, “Trabalho Assalariado e Capital”.

[29] L. Trotzki, “Kapitalismus oder Sozialismus?”, 1925, citado de “Grünbergs Archiv für die Geschichte der Arbeiterbewegung und des Sozialismus”, Band XII (1926), p. 456.

[30] A palavra ‘Thermidor’ é usada para descrever o golpe de estado que pôs fim ao poder jacobino na Revolução Francesa. Ocorreu em 27 de julho de 1794.

[31] Marx, Das Kapital, Banda 1, pág. 620 ff. Edição 1932.

[32] “Quatrième internationale”, outubro-novembro de 1957, pág. 75.

[33] Marx explica aqui as deduções necessárias para trazer melhorias no aparato produtivo, para os idosos ou doentes que não podem trabalhar, etc.

[34] Marx, “Programmkritiken” (ed. 1931), pág. 25.

[35] Idem.

[36] Idem, pág. 25-26.

[37] Idem, pág. 27.

[38] Ver o artigo de Max Martin, “Djilas dissects Stalinism” [Djilas disseca o stalinismo] em “Labor Action” [Ação Trabalhista], 26 de Agosto de 1957.

[39] “Quatrième internationale”, outubro-novembro de 1957, pág. 75.

[40] Constantin Fotitch, “The new class: an analysis of the comunist system” [A nova classe: uma análise do sistema comunista], “Western World”, outubro de 1957, pág. 69.

[41] Marx, “Misère de la philosophie” [Miséria da filosofia], Paris 1937, pág. 114.

[42]  Erro de Brendel nesta citação. Correção baseada na tradução holandesa do livro de Djilas, pág. 9. (Nota de F.C.)

[43] O Partido Social-Democrata da Holanda. (Nota do Tradutor)

[44] Esse primeiro artigo no “Spartacus” de 28 de setembro de 1957 é o primeiro capítulo deste folheto.

[45] Frustrados = pessoas reduzidas em suas aspirações.

[46] Partido Socialista Independente fundado por De Kadt e outros membros da ala esquerda do SDAP holandesa, depois da exclusão deles em 1932. (Nota do Tradutor)

[47] Aqui Brendel escreve sarcasticamente “o nosso De Kadt” para indicar que acha que De Kadt não está do nosso lado, isto é, do lado revolucionário que Brendel defende. (Nota do Tradutor)

[48] Algaraviada significa que De Kadt fala de modo confuso e não compreende as críticas de Rosa, Gorter, etc. (Nota do Tradutor)

[49] A palavra bazófia quer dizer que o livro (o “livrinho”) não possui fundamento ou chama a atenção pela presunção exagerada. (Nota do Tradutor)

[50] Publicado originalmente em “Spartacus”, 9 de novembro de 1957.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*