Notas sobre a Guerra na Ucrânia – Amigos do Comunismo de Conselhos

“As perdas não importam, as mulheres darão à luz novas.”

A ofensiva russa está engasgada com sangue, mas isso ainda não significa derrota.

I.

O plano russo poderia ser ocupar todos os territórios a leste do rio Dnieper e a capital Kiev, criando um estado fantoche lá. Por outro lado, Moscou pode planejar negociar com um governo pró-ocidente, deixando a margem direita da Ucrânia para isso.

Deve-se ter em mente que a Bielorrússia já está ocupada por tropas russas e se tornou uma ponte para um ataque contra a Ucrânia.

A ofensiva russa tem dois objetivos principais:

1) É uma forma de gerenciar os processos internos na Rússia, onde o consumo vem caindo há 7 anos seguidos e a economia ineficiente está sujeita à erosão. O Kremlin está tentando reforçar o militarismo nacionalista e mobilizar as simpatias da população. Além disso, cerca de metade do orçamento russo vai para financiar os militares e a polícia, que desempenham um papel dominante na política russa e que estão interessados ​​em expandir e aumentar o financiamento do complexo militar-industrial.

2) O estado russo como uma potência poderosa dificilmente pode existir sem um núcleo imperial eslavo, que inclui três elementos principais – Rússia, Ucrânia e Bielorrússia. De acordo com a doutrina dos imperialistas russos, apenas uma Rússia de 200 milhões de pessoas pode se tornar um ator influente no sistema político e até econômico mundial. Hoje, o Ocidente está matando esse sonho deles com sanções e fornecimento de armas para a Ucrânia.

II.

A julgar pelos mapas, a ameaça de uma ofensiva não está apenas pairando sobre Kiev, mas está relacionada às facções russas que saem na retaguarda do agrupamento Donbas das AFU (Forças Armadas da Ucrânia). Então eu diria que a situação da AFU é muito difícil, até crítica.

Por outro lado, vemos um fluxo de vídeo de comboios russos com veículos blindados em chamas e helicópteros caindo, além de entrevistas com soldados russos, tanto prisioneiros de guerra quanto aqueles que estão no posto, pedindo água e cigarros aos ucranianos. Esta filmagem é quase idêntica à filmagem da Chechênia no início de todos os eventos e da guerra em 1994-1995. Vemos uma enorme massa de jovens desmotivados, muitos dos quais provavelmente nem estão cientes do perigo que enfrentam.

A diferença da Chechênia é que a Ucrânia tem um território quase duas vezes maior que a Alemanha, uma população de 40 milhões e centenas de milhares de pessoas dispostas a lutar e com experiência militar. A Alemanha anunciou hoje que está transferindo 500 mísseis Stinger e 1.000 lançadores de granadas antitanque para a Ucrânia, não há dúvida de que o fluxo de armas está vindo dos EUA e outros países.

Os comboios logísticos russos que transportam combustível e munição, espalhados por vastas áreas, sofrem perdas terríveis hoje. O exército russo está perdendo cerca de 200 a 300 militares e dezenas de equipamentos militares todos os dias. Mas o agrupamento russo conta com cerca de 150.000 homens, e o comando russo nunca contou perdas. É muito natural que o estado russo lute assim, atirando no inimigo cadáveres e tanques em chamas. Na Rússia, eles dizem brincando: “As perdas não importam, as mulheres darão à luz novas”. Grandes perdas russas não levam necessariamente à derrota, embora possam minar a lealdade da população na frente interna.

O comando militar russo se comporta com um cinismo impressionante, negando baixas por princípio, eles admitiram apenas uma morte de um militar.

Tudo isso está acontecendo na base de um poderoso levante nacional-patriótico na Ucrânia (eu era e sou contra tal ideologia em qualquer país, estou apenas constatando um fato). Como as pessoas da Ucrânia escrevem – não considero pessoas especialmente patrióticas, mas politicamente indiferentes – muitos estão assustados, mas ao mesmo tempo há um ódio crescente pelos intervencionistas.

A combinação de todos esses fatores não é um bom presságio para as Forças Armadas russas. Mesmo que o agrupamento das AFU (Forças Armadas da Ucrânia) no Donbass seja cercado e destruído, mesmo que Kiev e Kharkov sejam tomadas, as comunicações do exército russo serão estendidas sobre um território gigantesco. A julgar pelas imagens dos comboios de transporte em chamas, é exatamente isso que provavelmente acontecerá. Em breve as florestas ficarão verdes, e isso duplicará e triplicará os problemas do exército russo.

III.

Além disso, a Rússia não tem nada a oferecer à Ucrânia em termos de economia. Os americanos, tendo derrotado Saddam, mas não conseguiram transformar o Iraque em um país rico e estável, conseguiram 20.000 combatentes de diferentes facções (alguns deles são pessoas extremamente desagradáveis ​​e, além disso, para ser franco, absolutamente babacas perigosos) que tiveram o apoio de uma grande parte da população, e no final os americanos se afastaram sob seus golpes.

A Federação Russa provavelmente poderia tomar Kiev e até Lviv, mas não tem nada a oferecer aos ucranianos, pois também não pode resolver seus próprios problemas com pobreza e corrupção, o nível de consumo não cresce ou diminui há 7 anos. Especialmente agora, sob crescentes sanções, o que a Federação Russa pode oferecer? É provável que, em vez do que eles têm, eles consigam um verdadeiro Hezbollah local ou baixista à maneira ucraniana (feroz nacionalista partidário).

IV.

Assim, o estado russo está chocado com as perdas. Eles não esperavam que haveria perdas tão grandes. O exército russo é absolutamente superior ao exército ucraniano no ar e tem muito mais equipamento militar. No entanto, descobriu-se que o exército ucraniano está muito mais motivado, assim como suas milícias. Os ucranianos têm dezenas ou centenas de milhares de veteranos de combate no leste e o moral é muito maior. As colunas logísticas russas, esticadas por enormes distâncias ucranianas (deixe-me lembrá-lo, este é um país gigante), tornaram-se um ponto vulnerável do exército russo. Além disso, os mísseis antitanques e antiaéreos Javelin americanos tornaram-se extremamente eficazes e os tanques russos estão queimando como fósforos.

Existem sentimentos antiguerra dentro da Rússia, mas eles têm uma conotação liberal e são comuns entre a população educada que tende aos liberais. Isso é uma minoria. O proletariado (a maioria) ou não entende o que está acontecendo e fica chocado, ou está sob a influência da propaganda oficial, ou acredita que a guerra terminará muito rapidamente. Mas este provavelmente não é o caso e, portanto, o Kremlin está preocupado. Uma guerra prolongada pode minar a influência das autoridades.

Nada mudará se um punhado de partidários de conselhos operários autônomos tentarem apoiar os nacionalistas burgueses catalães ou as milícias multiclasse ucranianas financiadas pela burguesia ucraniana e integradas ao exército ucraniano. De modo algum aproximará o autogoverno dos trabalhadores e a luta pelo comunismo.

Deve-se conduzir a propaganda antiguerra e anticapitalista com cautela.

Amigos do Comunismo de Conselhos*, Fevereiro de 2022.
Contato: [email protected]

* Amigos do Comunismo de conselhos é uma organização internacionalista, defensora da perspectiva proletária e de uma sociedade de produtores livremente associados. Outro texto deste grupo pode ser conferido no seguinte link: O antifascismo é a ideologia dominante na Rússia contemporânea.