A Narrativa Conspiratória – Charles Reeve

A Narrativa Conspiratória[1]

O surpreendente – até mesmo previsível – “golpe” tentado em Washington, DC em 6 de janeiro de 2021, realizado por seguidores do psicopata na Casa Branca, concedeu uma dimensão política à questão do pensamento conspiratório. Desde então esse tema se tornou central para o debate político e análise das reações populares relacionadas às posições políticas oficiais. Dentro da esquerda clássica, raramente presta-se mais do que uma atenção superficial a pensamentos conspiratórios, enfatizando seus aspectos reacionários, irracionais, e doidos – quase cômicos e ridículos. Surfando no surto da pandemia e suas terríveis consequências econômicas e sociais, o medo e a rejeição do pensamento conspiratório vieram, de certa forma, substituir a obsessão pelo “perigo do populismo” no discurso dominante da democracia. “Conspiracionismo” e “populismo” são agora vistos como ameaças à base do sistema representativo, considerado, naturalmente, como o intransponível horizonte das políticas contemporâneas. É exatamente por isso que parece importante considerar o reaparecimento dessas formas de pensamento dentro do quadro estrutural do sistema político capitalista, em relação com um problema mais profundo, o da crise do sistema de representação política.

O pensamento conspiratório, se acreditarmos nos partidários da ordem mundial atual, é baseado na negação da “realidade estabelecida pela ciência”. De acordo com esse tipo de pensamento, “a verdade real” não é aquela na qual devemos acreditar. Ao contrário, mentiras se tornaram dominantes entre autoridades políticas, midiáticas e científicas. O poder verdadeiro está nas mãos de entidades ocultas, invisíveis e secretas, que constituem um contrapoder manipulativo. As pessoas estão preparadas para voltar ao antissemitismo cristão da Idade Média para encontrar uma fonte para o pensamento conspiratório. Entretanto, apenas para parar no meio do caminho, pois o próprio pensamento religioso é evidentemente a fonte primária do pensamento conspiratório, em particular as religiões monoteístas, nas quais o poder verdadeiro é exercido por uma entidade dominante invisível e onipresente que manipula os seres humanos, determinando seus destinos. Posteriormente, uma vez que as relações sociais capitalistas se tornaram dominantes, o pensamento conspiratório encontrou solo fértil onde criar raízes e se desenvolver. Em um mundo onde seres humanos são desapropriados de seus próprios destinos, alienados de si mesmos e de suas atividades, incapazes de controlarem seus destinos, o poder político está, por definição, além de nosso controle, escondido atrás de uma aparência de igualdade formal que obscurece a desigualdade econômica e social. O mundo capitalista é um terreno fértil para a paranoia e sua funcionalidade pode apenas reforçar o pensamento conspiratório, que encontra a “verdade real” em outro lugar que não o mundo das relações sociais reais.

Certamente, tal abordagem da questão do conspiracionismo não agradará aqueles que defendem o modo de produção capitalista. Essas pessoas falam como se não conhecessem as práticas conspiratórias que se repetem regularmente em conflitos entre capitalistas. Estes conflitos e disputas pelo poder estão incorporados em instituições poderosas, os lóbis, que por trás das cenas colocam peso na “mão invisível do mercado” a fim de promover os interesses de capitalistas particulares e moldar as decisões políticas e econômicas. Qualquer questionamento dessas práticas, qualquer crítica que revele mentiras e segredos políticos e econômicos, é dispensada como “pensamento conspiratório”.

Alguns vão tão longe a ponto de encontrarem designs conspiratórios em pensadores como Marx. Uma comparação superficial é feita entre Marx, que reivindicava uma “crítica desapiedada de tudo o que existe”, e a “teoria da conspiração contemporânea, que toma a forma de dúvida crítica, questionando o poder político e a autoridade de especialistas”[2]. Sem dúvidas, essas pessoas difamariam as duras páginas de Deus e o Estado de Bakunin, onde ele desenvolve sua crítica do “princípio de autoridade”, demonstrando as ligações entre o poder estatal, religião e ciência. Com certeza, esses partidários da verdade científica, que se tornou verdade política e um pilar do poder capitalista, reconhecem que foi “a gloriosa ordem do Iluminismo[3]” que duvidou da autoridade e da ciência, mas apenas para se distinguirem da teoria como a de Marx que “constrói um mundo como um vasto tecido de interesses ocultos[4]”. Contudo, devemos admitir que é necessária uma grande dose de ignorância pedante ou desonestidade intelectual para identificar a crítica da economia política de Marx, com sua revelação das relações sociais capitalistas, com um “tecido de interesses ocultos”.

É o questionamento da autoridade estabelecida e do poder de especialistas que acima de tudo enfurece apoiadores do sistema representativo, a quem a “força da verdade” e o poder da ciência não pode ser questionada sem ameaçar a existência de democracias modernas. Rejeitar o pensamento conspiratório parece levar imediatamente ao distanciamento de alguém de qualquer denúncia da corrupção do mundo político, que é necessária para proteger só porque está dessincronizada com a realidade vivida pela maioria das pessoas em um período de crise econômica, social e ambiental. O surto da pandemia ocorreu dentro do processo contínuo do enfraquecimento do consenso entre classes. O questionamento do sistema representativo está em curso há muitos anos, como pode ser visto em vários conflitos e movimentos sociais, do Occupy e Movement of the Squares[5] na Europa e nos países árabes às novas e inesperadas mobilizações, como a dos Coletes amarelos na França, as revoltas em Hong Kong e as mais recentes na Tailândia e na Birmânia. Na sociedade europeia, onde o conflito social persiste apesar do enfraquecimento ou eclipse parcial das instituições do antigo movimento operário, acima de todos os sindicatos, a rejeição das formas representativas da democracia eleitoral foi reforçada pela caótica gestão politica da crise sanitária e do fracasso dos Estados.

Durante anos, os conflitos dentro do sistema público de saúde, na maioria dos países europeus, demonstraram a fragilidade produzida pela destruição metódica de políticos neoliberais. A pandemia apenas clarificou essa realidade. Mais uma vez, um entendimento político foi uma verdade dolorosamente experienciada pela população. A incapacidade, irresponsabilidade, e incompetência com que os governos lidaram com a situação são explicadas por sua submissão aos dogmas liberais que aplicam cálculos quantitativos aos serviços de saúde, pelo governo dos gestores que tratam a “saúde” como uma mercadoria. Com a pandemia em jogo, medidas políticas autoritárias – lockdowns – foram destinadas acima de tudo a proteger o que resta do sistema de saúde pública e assim esconder as responsabilidades dos governos no desastre. Elas foram imediatamente vistas, furiosamente, como medidas essenciais de controle social, privando as pessoas de liberdades civis. A ideia da manipulação da pandemia em prol do controle social reforçou o pensamento conspiratório. Algumas vezes, sob a pressão da deriva em paranoia, a pandemia foi até mesmo percebida como uma ficção fabricada para justificar a necessidade de controlar a sociedade.

O fracasso do Estado em face da pandemia, suas decisões contraditórias, basicamente centradas na repressão, a ocultação de suas próprias responsabilidades, são exemplos do quanto o funcionamento do mundo político alimenta a teorização conspiratória. Da mesma forma, a crença na verdade científica foi seriamente enfraquecida por esse fracasso. Se já era difícil ter total confiança na eficácia da gestão e na “ciência” depois dos campos de extermínio, Hiroshima e Nagasaki, Chernobyl e Fukushima, a pandemia fortaleceu essa dificuldade. O fracasso governamental de assumir a responsabilidade face à gigante crise ecológica – prefigurada violentamente pela série de várias pandemias – prova que o verdadeiro poder de decisão reside não na esfera política, mas na do interesse da produção pelo lucro – mais uma divisão entre aparência e realidade.

Por isso, é insuficiente compreender o desenvolvimento e o sucesso da teorização conspiratória como devido somente à irracionalidade. O pensamento conspiratório é reforçado pelos fracassos da ação política e do estado. Dito isso, tal pensamento tem seus próprios limites e abre espaço para fantasias paranoicas. Toda realidade aparente é percebida como um rosto falso de uma realidade oculta a ser revelada. A mitologia de um mundo controlado pelas sombras por seres ou poderes secretos, por um governo mundial secreto, seduz e sufoca a dúvida que é central para o pensamento crítico. O pensamento conspiratório cria uma “verdade” difícil de questionar. Também é um modo simples e fácil de pensar. O funcionamento complexo e contraditório do capitalismo, impondo-se às próprias classes dominantes, é substituído por esquemas obscuros e secretos de uma minoria. Isto é, no entanto, apenas uma aparente simplicidade, pois de fato esse é um modo de raciocínio confuso que apela para a opacidade de fantasias irracionais.

Em um nível político mais específico, a convergência entre pensamento conspiratório e a abordagem subversiva para a ordem do mundo atual é ambígua e complexa, algumas vezes antagônica. O pensamento conspiratório envolve uma rejeição das elites políticas existentes e desconfiança em relação à representação democrática, que desapropria o indivíduo e o coletivo de seus poderes. Mas esse conspiracionismo toma um rumo antigo, alimentando-se de todas as ideias e práticas reacionárias, do racismo às várias paranoias, do nazismo a seitas fundamentalistas religiosas, a nebulosas fantasias do QAnon, que reúne círculos de pedófilos, rituais de sangue e partidos políticos institucionais. O pensamento conspiratório acompanha a submissão a líderes – não os oficiais do sistema, que são questionados e abominados, mas os “verdadeiros líderes”, capazes de descobrir a conspiração e reverter a ordem das coisas através de um retorno ao passado. Há um exemplo explícito dessa ideia de um retorno a um passado mítico no slogan trumpista “Make America Great Again”[6].

Dessa forma, mobilizações políticas inspiradas pelo pensamento conspiratório inevitavelmente acabaram no campo de forças reacionárias e obscurantistas. As “insurreições” pelas quais seus partidários chamam são atos preventivamente contrarrevolucionários. Da desconfiança do sistema da representatividade democrática, eles passam direto para o elogio e a defesa da ditadura, saudando líderes providenciais. A este respeito, é importante retornar aqui para a identificação feita por certos líderes europeus entre a ação de multidões conspiratórias nos Estados Unidos e movimentos que contestam o sistema representativo, como os Coletes amarelos na França[7]. De fato, a diferença entre esses movimentos é enorme. Ideias conspiratórias, racistas e xenofóbicas podem ser encontradas entre os Coletes amarelos, mas foram demandas igualitárias e a crítica da injustiça social que deram força e dinamismo a esse movimento – valores bem opostos aos compartilhados pelo bando pró-Trump, uma força de combate a serviço da supremacia branca enviada dos céus. Só podemos concordar com essa análise sucinta:

Racismo, xenofobia, a luta contra o aborto ou a defesa de valores familiares tradicionais, ideias anti-governamentais e conspiracionismo nunca foi o que moveu os Coletes amarelos. A captura de instituições pela violência também nunca figurou nas numerosas tentativas de consolidar o programa feito em assembleias nacionais ou regionais. Certamente há slogans e sinais racistas, homofóbicos e antissemitas carregados em manifestações ou em rotatórias (onde Coletes amarelos se juntam)… Mas essas coisas existiam nas margens do movimento, e na maioria das vezes os próprios Coletes amarelos se livravam delas. Também haviam eleitores da extrema-direita nos grupos espalhados pela França, junto com militantes da extrema-esquerda, sindicatos, todo o espectro de militantes esquerdistas. O efeito bolha, alimentado pelo consumo frenético das redes sociais, sem dúvida nutriu ideias conspiratórias em parte da população francesa, entre eles aqueles que são mais resistentes ao discurso oficial, mas isso não significa que o apoio a esse movimento fez as pessoas mais propensas a tais loucuras[8].

No universo da conspiração, tudo acontece como se, depois de ter criticado a manipulação elitista do sistema representativo e tendo denunciado a presença de poderes malignos, as pessoas se submetem a forças que não controlam – em uma palavra, as “verdadeiras elites”. As pessoas continuam prisioneiras do mesmo esquema alienado de separação das tomadas de decisões sociais. O processo do pensamento conspiratório é incapaz de confrontar a questão que começou colocando: a falta de controle da própria vida. As pessoas se separam da estrutura visível de poder que é supostamente falsa apenas para se submeterem a outra. Nesse sentido, o pensamento conspiratório é uma forma de entendimento errado da crise de representatividade, da mesma forma que ideias fascistas dos anos 1920-30 fizeram uma crítica reacionária das políticas social-democratas com o intuito de construir uma resposta autoritária. Dúvida – crítica radical – é reduzida à desconfiança e sufocada pela paranoia. Ao invés de buscar o controle da coletividade social sobre seu governo, as pessoas procuram saber quem governa, aqueles que parecem fazê-lo ou aqueles nas sombras que realmente o fazem. Voltando ao exemplo de 6 de janeiro nos Estados Unidos, o pensamento conspiratório político se limita aos conflitos dentro da classe dominante, os confrontos entre suas tendências – confrontos cujos resultados, naturalmente, têm consequências para a sociedade inteira.

No pensamento conspiratório, o mundo está dividido entre a massa manipulada, sem entendimento, escravizada pelas aparências, e uma vanguarda iluminada, iniciada, capaz de revelar o poder dominante oculto. Para as mentes conspiratórias, as massas são incapazes de autoemancipação. O pensamento conspiratório, portanto, integra o pensamento elitista e vanguardista, e é dificilmente surpreendente que tenha atraído, através da história, todas as correntes contrarrevolucionárias. Atividades coletivas autônomas e conscientes são estranhas a ele. Desde a Revolução Francesa, o pensamento conspiratório sempre interpretou as revoluções sociais como episódios da manipulação das multidões por forças ocultas. Como um corolário da submissão ao líder enviado pelo céu, o pensamento conspiratório coloca o poder político no centro do poder social. Daí a atração dos lugares onde esse poder é exercido e o desejo de capturá-lo. Mesmo aqueles que acreditam na existência do “verdadeiro governo secreto” procuram operar no plano do poder político real.

Uma crítica da representação política só pode ser baseada na prática da democracia direta, do autogoverno, nascida em e através de um movimento social autônomo e espontâneo que quebra com a separação das pessoas da governança social básica para a “política”. Este é o único caminho no qual a crítica do autoritarismo democrático dos dias presentes pode se tornar uma força da autoemancipação coletiva. Somente a tomada coletiva das responsabilidades sociais pode ultrapassar os limites, as contradições, e a dificuldade na aplicação de ideias políticas do sistema social existente para minar a paranoia irracional e obscurantista que dá origem ao pensamento conspiratório e infecta a crise política.

Conspiracionismo pode se enraizar e se alimentar da falta de confiança no sistema representativo, mas permanece fundamentalmente oposto à emancipação; ele se distancia de toda a atividade coletiva que procura ultrapassar a delegação permanente de poder, a separação da política do resto da vida. Além disso, o pensamento conspiratório, afirmando revelar o poder real e secreto que domina tudo, está em conflito com a realização das classes sociais exploradas de conscientização de suas próprias responsabilidades pela destruição do planeta e das condições de vida na terra, pela compreensão de sua própria alienação. As teorias da conspiração se afastam das responsabilidades dos seres sociais. Em relação à pandemia, o conspiracionismo sublinha explicações paranoicas e evita a questão da crise ecológica e sua causa capitalista. Somente nossa capacidade de ser consciente das relações sociais de produção e reprodução da vida podem tornar visível o que parece estar oculto: nossa alienação social. O pensamento conspiratório, em todas as suas formas, é apenas uma expressão da dificuldade ou recusa de atingir essa compreensão. É a forma mais fácil e reacionária de lidar com as questões levantadas pela atual crise da ação política. É uma falsa conscientização oposta à emancipação, que perpetua a separação entre “massas” e “elites”. Nossa responsabilidade social para a condição do mundo está oculta, na forma conspiracionista de pensar, pela confusa busca por poderes secretos.

Dada sua essência reacionária, a atividade política de grupos estimulados pelo pensamento conspiratório acaba justificando e legitimando o sistema representativo que, em princípio, ela afirma denunciar e contestar. Isto pode ser visto após o caos gerado pelos eventos de 6 de janeiro de 2021, nos Estados Unidos. Entretanto, o potencial sinistro dessa forma de pensamento está longe de acabar. A longa crise que o sistema global de produção com fins lucrativos está passando, com a economia cambaleante, explodindo miséria social, e o agravamento da crise ecológica, está à nossa frente. Em face da perseguição de políticas liberal-democratas incapazes de reverter o curso dos acontecimentos – limitando-nos ao particular, mas exemplar, caso dos Estados Unidos – pode-se esperar o aparecimento de cada vez mais formas políticas reacionárias e autoritárias. Mais uma vez, a humanidade se encontra diante da escolha crucial e inevitável entre a abolição do modo capitalista de produção e um colapso à barbárie. Os revolucionários que se opuseram à primeira grande carnificina do século XX previram isso; desde então, a raça humana apenas adiou a escolha, em cada ocasião, ao preço de um sofrimento mais vasto e mais terrível.


[1] Em inglês, “Plot” pode significar complô, narrativa, história, em sentido de ficção. Na tradução, foi utilizado o termo Narrativa pois ele se adequa ao contexto do artigo. (NT)

[2] Eva Illouz, “Croire à la science ou pas: la question qui pourrait décider de l’avenir du monde”, Le Monde, 11 de dezembro de 2020.

[3] Ibid.

[4] Ibid.

[5] Occupy: movimento sociopolítico progressivo que se opõe a desigualdade social e econômica e na falta de uma “real democracia”. Ocorreu pela primeira vez em Wall Street, em 2011. Movement of the Squares: Movimento anti-austeridade que englobou o movimento Occupy, em 2011. Ocorreu na Espanha com apoio do Movimento dos Indignados espanhol. (NT)

[6] Em tradução literal, “Torne a América Grande Novamente”, slogan usado na campanha presidencial de Donald Trump em 2016. (NT)

[7] Essa foi a reação do presidente francês Emmanuel Macron aos eventos de 6 de janeiro de 2021 no Capitólio em Washington.

[8] Mathilde Goanec et Ellen Salvi, “Gilets jaunes et Capitole: une déraisonnable exploitation politique”, Mediapart, 8 de janeiro de 2021.

Traduzido por Lucca Lobato, a partir da versão disponível em: https://brooklynrail.org/2021/04/field-notes/The-Conspiracy-Plot.

1 Trackback / Pingback

  1. Capitalismo, Utópico e Científico – Paul Mattick Jr. – Crítica Desapiedada

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*