Vietnã – Root & Branch

Artigo de Root and Branch sobre o chamado cessar-fogo na Guerra do Vietnã.

Na terça-feira à tarde, janeiro 23, foi anunciado simultaneamente em Washington, Hanoi e Saigon, que um acordo de cessar-fogo havia sido alcançado e que a paz estava na mão da Indochina. É claro que haveria uma semana de combates ferozes em todo o Vietnã do Sul antes que o acordo entrasse em vigor. Cada lado lutando como em um jogo de futebol para ganhar mais terreno, antes do apito soar. E, infelizmente, o combate continuaria, embora em uma escala reduzida, sem o bombardeio americano do Vietnã. Mas a situação na Indochina realmente mudou.

O movimento americano anti-guerra, tendo acabado de demonstrar o fim de semana de inauguração para Nixon Assinar agora!, teve seu desejo concedido. Como Nixon prometeu, as tropas e aviões americanos deixarão o Vietnã, os P.O.W.s[1] americanos se reunirão com as suas famílias, será feita uma contagem completa dos americanos mortos, e os vietnamitas poderão resolver seus assuntos entre si – que, como o Dr. Kissinger observou em janeiro 24, sempre foi o objetivo americano.

Se a paz representa a consecução dos objetivos americanos, os norte-vietnamitas, por sua vez, proclamaram uma grande vitória para o povo vietnamita. Uma coisa evidente é que o que está acontecendo não é exatamente visível. No entanto, alguns elementos da situação devem ser evidentes para todos.

O governo dos EUA optou pelo cessar-fogo em busca de seus próprios objetivos, não como resultado da pressão do movimento anti-guerra. Durante a guerra, esse movimento influenciou a maneira da qual o governo dos EUA executou sua política, mas os objetivos da política permaneceram inalterados. O movimento foi incapaz de enraizar uma oposição à guerra, em relação à real opressão diária das pessoas pelo sistema que criou a guerra. Este limite não foi tanto um erro tático, como foi reflexo dos limites reais do movimento. Em grande parte, composto de estudantes e profissionais (incluindo possíveis revolucionários profissionais), e na ausência de um movimento radical da classe trabalhadora, a Nova Esquerda como um todo não estava em posição de entender o sistema que poderia analisar apenas em termos de sua própria experiência de “classe média”.

Contra a imagem do maligno imperialismo americano, o movimento lançou a imagem de uma força de libertação nacional como o outro fator da situação, no qual o Espírito do Povo acabaria por triunfar sobre a Tecnologia do Homem. Esqueceu-se que o Espírito se fortaleceu, principalmente, com foguetes russos e chineses, armas, munições, Grandes Agrupamentos Industriais (GAI), tanque, petróleo e alimento. Visto como um exemplo clássico de uma pequena nação que detém um grande poder, o destino do Vietnã sempre foi determinado pelas necessidades das grandes potências. Quando a Segunda Guerra Mundial abriu a possibilidade da luta anticolonial, a Guerra Fria tornou possível sua continuação, como uma batalha por aproximação entre o capitalismo e os sistemas econômicos controlados pelo Estado do Oriente. Hoje, a aproximação entre os EUA, a China e a Rússia, marcou o fim da capacidade do Vietnã do Norte e do N.L.F. para continuar a luta no nível anterior.

A base para o atual “resfriamento” da guerra civil vietnamita encontra-se, portanto, nas necessidades atuais das principais potências envolvidas. Os Estados Unidos, movidos pela lógica do capitalismo de reivindicar o mundo subdesenvolvido libertado do controle europeu pela última Guerra Mundial, demonstraram sua falta de vontade de diminuir a extensão desse controle. Enquanto isso, os sistemas geridos pelo Estado acumularam problemas econômicos próprios – expressos em uma desaceleração do crescimento econômico – o que torna a maior participação no mercado capitalista mundial e acesso à tecnologia ocidental um comércio valioso para uma redução temporária do nível de conflito. Além disso, a divisão entre as duas principais potências orientais colocou os Estados Unidos em uma posição especialmente forte. Enquanto Laird, em sua entrevista coletiva de despedida como Secretário de Defesa, apontou que “nossa arma mais forte é o desejo de comerciar com os russos”, W.H. Sullivan, Vice-Secretário de Estado Adjunto para Assuntos do Leste Asiático e Pacífico, expressou “a visão predominante” no Departamento de Estado “de que a China pressionou por um acordo para conter a influência de Moscou e Hanói na Indochina”. Falando ao Meet the Press em 28 de janeiro, Sullivan explicou a estratégia de Nixon em extrair águas do Vietnã do Norte neste contexto, como produzindo “uma situação na qual o Vietnã do Norte se torna 100% dependente da China para o fornecimento de seus equipamentos… Nada poderia atravessar as águas e entrar no exterior de Haiphong. Isto significa que a preocupação da China com o cerco soviético entrou jogo. Isto significa que o sentimento da China de que preferiria ter quatro estados balcanizados na Indochina em vez de uma Indochina dominada por Hanói e possivelmente suscetível a Moscou, entrou em jogo”. (New York Times, 31 de janeiro).

Seria inútil lamentar a limitação das lutas de libertação nacional pelas necessidades das grandes potências. Libertação nacional significa a luta pela entrada no mundo dos estados-nações – um mundo dominado pelos interesses do grande poder. Isso sempre foi entendido pelos governos e forças anticoloniais – daí o apoio norte-vietnamita (e cubano) à invasão russa da Tchecoslováquia. O Imperialismo – de tipo ocidental ou oriental – é um aspecto integrante dos sistemas sociais que organizaram sua vida política na forma de estado-nação. Independência nacional, no nível da política mundial, pode significar apenas a escolha entre diferentes graus de integração nas esferas de influência das economias controladas pelo estado da Rússia e da China.

Por esse motivo, também podemos ter certeza de que a guerra na Indochina, por mais que a trégua atual possa durar, não chegou ao fim e que será substituída por uma de uma série de conflitos semelhantes em todo o mundo. O capitalismo corporativo e os sistemas estatais da Rússia e da China – quaisquer que sejam suas necessidades atuais de entendimento – continuam a se confrontar como sistemas antagônicos que se esforçam para garantir e expandir suas esferas mutuamente exclusivas de exploração de trabalho e recursos. Os conflitos limitados, também conhecidos como guerras com pinceladas na linguagem dos senhores do mundo, são menos ameaçadores para as grandes potências do que um confronto direto entre elas (embora isso também não seja uma impossibilidade).

O que isso significa é que o cessar-fogo no Vietnã pode ser bem-vindo apenas como uma diminuição temporária do massacre a que a população do mundo é condenada até os sistemas rivais de exploração – em cujas lutas pelo seu controle, eles servem como bucha de canhão – serem destruídos. A verdadeira tragédia do Vietnã não é seu fracasso em alcançar a autodeterminação nacional, mas a destruição física de suas cidades e campos, as mortes e deslocamentos das pessoas que vivem lá. Deve-se lembrar que a nação ou o povo do Vietnã, como em todo lugar, consiste em vários grupos, com interesses distintos e muitas vezes incompatíveis – trabalhadores lutando por melhores salários e condições, camponeses pelo controle da terra e de seus produtos, a intelligentsia e a burguesia nativa pelo controle político e econômico de seu país. A tragédia do povo explorado da Indochina é que eles são forçados a lutar e morrer por uma vida melhor – e até pela sobrevivência – dentro das escassas possibilidades estabelecidas pelas estruturas dominantes da opressão de classe.

O sistema que causou tanto terror e dor sobre os indochineses tem aumentado também a dor e a privação reservadas para as populações trabalhadoras dos países desenvolvidos. Como na época da primeira guerra imperialista mundial, a escolha entre socialismo e barbárie é agora expandida por uma nova tecnologia de destruição. Espero que o mundo não tenha que ser reduzido a uma total desordem antes de nos juntarmos ao povo comum do Vietnã para destruir o sistema que é nosso opressor comum.

Root & Branch, n. 4 (1973), pp. 1-2


[1] [N.T.] A sigla “P.O.W.s” significa “prisoners of war”. Em português, poderíamos traduzir como prisioneiros de guerra, ou seja, os militares, civis, etc., mantidos em cativeiro durante ou imediatamente após um conflito armado.

Artigo traduzido por Felipe Andrade a partir da versão disponível em:
https://libcom.org/library/vietnam