As Bases do Imperialismo Japonês – GIKH

Publicado em International Council Correspondence Vol. 1, no.7, abril de 1935, pp 1-7.

A Declaração de Guerra à Capital Europeia

Há pouco tempo apareceu na Itália uma brochura com um resumo de um grande número de artigos do maior jornal diário japonês, The Osaka Mainichi e Tokio Nichi. Nele encontramos o seguinte:

“Vocês, europeus, e especialmente vocês, ingleses, tornaram isso bonito para vocês, acompanhando o grande desenvolvimento industrial no final do século anterior e no início do presente século; vocês elevaram o padrão de vida e confiaram no comércio de exportação mundial como um direito eterno. O mundo, entretanto, não para, nem espera por você se você deixar de acompanhar o ritmo do tempo. Não hesitamos em afirmar que a indústria têxtil inglesa e, em geral, a europeia, é derrotada todos os dias pela do Japão, porque se esqueceram que toda a base do comércio consiste em vender a preços baixos. O poder de compra da maioria dos países com os quais vocês fazem negócios é bastante pequeno, e por essa razão sustentamos que o projeto japonês de vender suas mercadorias aos preços mais baixos – considerado do ponto de vista humano geral – é mais benéfico do que sua tendência de manter preços elevados.
Vocês, ingleses e europeus, pensam em seus ganhos e no alto padrão de vida de seus trabalhadores; pensamos na necessidade de encontrar trabalho para nossos trabalhadores e na necessidade vital dos milhões de asiáticos, africanos, sul-americanos – nossos clientes – que levam uma existência mais do que modesta. Se o Japão pode vender um tecido a esses povos a dois centavos o metro, por que eles deveriam pagar aos europeus quatro ou seis?”

Estas são as palavras do capital japonês, que se tornou consciente do poder e se empenha em derrotar o capitalismo ocidental com sua própria lógica. Com a mesma lógica e as mesmas frases humanitárias, o capital europeu outrora destruiu o artesanato europeu, como também mais tarde se apoderou dos mercados de países atrasados e impôs seus métodos econômicos à Ásia. Hoje levanta contra a força por ela criada as mesmas frases insossas de uma moral pequeno-burguesa economicamente ultrapassada com que os artesãos caducos procuravam se defender de sua concorrência. A capital moderna e mais eficiente do Oriente, com brutalidade autoconsciente, declarou guerra ao capitalismo europeu, seu criador. E esta declaração de guerra é mais clara do que todas as declarações dos guerreiros imperialistas do Estado-Maior Japonês. Em seu espírito, o capital japonês não apenas lutará; derrotará com esse espírito o capitalismo dilapidado da Europa no campo da economia internacional.

As pré-condições técnicas da expansão japonesa

A burguesia europeia aponta com amargura e temor o “dumping” por parte dos exportadores japoneses. Com que justificativa resta determinar.

Deve-se enfatizar, em primeiro lugar, que a questão do vigor das exportações japonesas não é respondida com frases gerais sobre dumping. Ou seja, é incontestável que o capitalismo japonês tenha um equipamento técnico muito superior ao da Europa. Isso vale, sobretudo, para a indústria têxtil. É verdade que os custos de instalação de uma fábrica têxtil no Leste Asiático são quatro vezes maiores do que na Inglaterra, mas, por outro lado, o Japão pratica uma utilização muito mais intensa de suas máquinas. As máquinas têxteis japonesas altamente modernas funcionam regularmente em dois turnos de 8 horas e meia cada, e na velocidade máxima. Uma máquina têxtil japonesa de dez anos trabalhou em média 62.000 horas, enquanto uma máquina inglesa semelhante foi colocada em uso em média apenas 24.000 horas. O número médio de horas de trabalho por semana é relatado (1932) como 100 para o Japão, contra 40 na Europa.

A intensidade da hora de trabalho da máquina no Japão é maior do que na Inglaterra. Assim, um fuso japonês produz em 48 horas uma média de 42 libras do fio Nº 40; um fuso inglês apenas 36 libras. O Japão, com oito milhões de fusos, atinge quase a produção da indústria têxtil inglesa com 50 milhões de fusos.

O ritmo de racionalização do trabalho é tão alto no Japão que, apesar do aumento da produtividade, o número de trabalhadores permaneceu praticamente estacionário em 4,8 milhões nos últimos dez anos. Enquanto em 1929 10.000 fusos eram servidos por 285 trabalhadores na indústria do algodão, em 1933 o mesmo número de fusos foi deixado para 197 trabalhadores. No mesmo espaço de tempo, a produção de uma máquina de fiar aumentou 35,6%.

O “dumping cambial”

Embora a utilização altamente racional do homem e da máquina, combinado com a concentração em relativamente poucos tipos de fios e tecidos, não apenas na indústria de algodão, mas também na indústria de lã e seda artificial, possam colocar o Japão em uma posição, mesmo que apenas do ponto de vista técnico, para enfrentar com sucesso a concorrência europeia e americana, o Japão ainda tem uma vantagem adicional na desvalorização controlada de sua moeda. Essa desvalorização por si só não explica em absoluto o sucesso de seu comércio de exportação, e a Inglaterra não tem o direito de levantar um grito por causa disso. Pois, em primeiro lugar, a desvalorização da moeda inglesa ocorreu antes da do iene e, em segundo lugar, o iene foi novamente estabilizado com base na libra inglesa. O exemplo inglês mostrou ainda que o barateamento da moeda tem apenas um breve efeito estimulante sobre a economia, enquanto o sucesso do Japão é um assunto de longo prazo. Seu anúncio da possibilidade de um novo experimento de desvalorização é uma evidência, de qualquer modo, da vontade de administrar, se necessário, uma nova injeção de adrenalina à economia japonesa; uma experiência que a Inglaterra dificilmente se aventuraria a seguir.

Salários japoneses

Uma das razões essenciais para os baixos preços das exportações japonesas são os salários japoneses. No Japão, a força de trabalho mercantil é barata, embora os salários japoneses, em comparação com os da Alemanha fascista e da Itália fascista, não revelem aquela enorme diferença que é proclamada pela imprensa europeia no interesse de seus próprios empresários.

O departamento de estatísticas japonês calculou um salário médio diário de 2,53 ienes (1 iene é igual a cerca de 50c) 714.600 homens e de 0,95 ienes para 729.000 mulheres trabalhadoras. O Banco do Japão indicou como salário médio mensal dos trabalhadores do sexo masculino na indústria de metal 59,21 ienes; na indústria de provisões 42,88 ienes; na indústria química 41,93 ienes; na indústria têxtil 32,05 ienes; e para vários outros ramos da indústria 44,95 ienes. Os salários informados para as mulheres variam entre 23,22 ienes na indústria metalúrgica e 15,22 ienes na indústria têxtil e, em nenhum caso, chegam a 50% dos salários dos homens.

Esses dados, que por si só não são confiáveis, não permitem uma comparação exata com os salários na Europa. Em primeiro lugar, de acordo com um artigo de Oliver Lawrence em The Listener (Londres), no início de março de 1934, uma parte considerável do salário é paga em espécie. E em segundo lugar, um grande número de mulheres trabalhadoras, como na indústria têxtil, é barrado e, portanto, não tem aluguel a pagar.

Padrão de vida

Os salários japoneses incorporam um padrão de vida diferente daquele dos trabalhadores europeus. A administração da cidade de Tokio estabeleceu um orçamento médio para os trabalhadores, que chega a 54 ienes por mês. Isso é mais do que corresponde à renda média de todas as categorias de trabalhadores, exceto as da indústria metalúrgica. Não há dúvida por isso que os estatísticos japoneses preferiram fazer cálculos diferentes da renda por família. Nas estatísticas sobre receitas e despesas de 1.000 famílias – estatísticas que, afinal de contas, são fortemente tendenciosas – eles chegam dessa forma a uma renda líquida média dos trabalhadores de 77,97 ienes por mês, e dão a entender que 4,89 ienes desse valor são economizados.

Isso é irrisório, para dizer o mínimo, quando se tem em mente que a poupança no Japão deve substituir o seguro social. Para a categoria mais baixa de famílias consideradas, que mostram uma renda inferior a 50 ienes, este cálculo em si deve estabelecer um déficit mensal de 4,34 ienes. Uma comparação entre o índice salarial japonês e o índice de preços no varejo mostra que as condições de vida dos trabalhadores japoneses, apesar da crescente industrialização e do aumento das exportações, estão absolutamente piorando. De novembro de 1931 a setembro de 1933, o índice de salários caiu de 89,7 para 84,7, enquanto o índice de varejo subiu de 130 para 147.

A desvalorização do iene não teve influência, segundo dados japoneses, sobre o padrão de vida dos trabalhadores, uma vez que os preços a serem pagos pelas necessidades vitais não mudaram. Uma comparação do índice de salários e preços, entretanto, mostra o contrário. Resta considerar que os alimentos necessários para os trabalhadores japoneses se limitam a arroz, peixe, chá e um pouco de álcool, e que o índice de preços do arroz caiu consideravelmente durante o ano de 1933. Os custos extremamente modestos para a restauração da força de trabalho mercantil são responsáveis pelos baixos salários no Japão. Tomando por certo o padrão de vida prevalecente no Oriente – um padrão condicionado por fatores históricos e climáticos – e tendo em mente as outras condições de vida na Europa, pode-se dizer que os salários de fome do Japão não são essencialmente diferentes dos salários de fome de grandes setores dos trabalhadores da Europa. O capitalismo europeu, no entanto, não consegue se encontrar em posição de competir com o nível salarial japonês, a menos que leve toda a sua população ativa ao nível de renda e de vida que prevalece entre os fazendeiros alemães e no serviço de trabalho alemão, onde os salários foram praticamente abolidos.

Mulher e trabalho infantil

O “padrão de arroz” dos trabalhadores japoneses reduz o fundo salarial japonês em uma medida ainda inatingível para o capitalismo europeu, mesmo com empobrecimento relativo igual ou ainda maior de seus trabalhadores. A grande prevalência do trabalho feminino e infantil, que torna a obtenção do mínimo existencial dependente do trabalho de toda a família, pressiona o nível salarial para baixo na escala.

Apesar das altas pretensões técnicas, os trabalhadores japoneses são intensamente explorados no processo de produção altamente racionalizado. Isso se torna socialmente possível, pois o capitalismo japonês tem à sua disposição um exército de reserva capaz de ser enormemente expandido. Só por causa do grande crescimento da população, cerca de 200.000 trabalhadores são adicionados a cada ano. E do outro lado está o campesinato muito empobrecido, que constitui a maior parte da população japonesa: um reservatório humano inesgotável.

Este reservatório humano vive em condições pré-capitalistas de trabalho e exploração. Visto que a burguesia japonesa não cresceu lutando com as forças feudais nos distritos rurais, mas surgiu através da divisão da classe feudal reinante, o subsolo feudal-agrário da sociedade japonesa foi amplamente mantido. As maiores famílias da nobreza feudal são, ao mesmo tempo, as que desenvolvem a concentrada indústria japonesa e são beneficiárias de uma exploração camponesa que equivale praticamente à servidão. A dependência feudal dos camponeses japoneses está oculta, como em grandes partes da China, por trás das relações de aluguel em espécie. É costume o camponês no Japão entregar mais de 50% de suas safras como aluguel ao proprietário da terra. Visto que a indústria altamente moderna e a agricultura semifeudal estão ligadas uma à outra da maneira mais próxima possível, o capitalismo japonês é um beneficiário direto da exploração feudal dos camponeses. Ele embolsa lucros extras como a queda para o capital imperialista da sucção dos produtores pré-capitalistas em outras regiões coloniais, sem ser obrigado a compartilhar com a classe feudal e os outros inúmeros agentes intermediários. Embora os ganhos dos empresários japoneses sejam em muitos casos fabulosos (na indústria da seda artificial, por exemplo, era possível denotar lucros anuais de 75 por cento como regra), está à disposição do capital japonês uma renda feudal considerável, que é livre para empregar na luta competitiva no plano internacional.

Também a este respeito dificilmente se pode falar de um verdadeiro “dumping social”. O capitalismo japonês meramente faz uso de sua posição – uma posição alcançada pelos meios e métodos que de outra forma teriam sido aplicados pelo capital imperialista ao território colonial.

Para os trabalhadores japoneses, as velhas relações feudais se tornaram mais um obstáculo. Por um lado, pelo apego à terra, o cuidado dos desempregados, apesar do empobrecimento extremo, torna-se “supérfluo”. Por outro lado, o recrutamento e engajamento de trabalhadores ocorre de forma meio feudal. Os agentes das grandes empresas reúnem nas aldeias navios inteiros e treinam cargas de voluntários de trabalho, aos quais é feito um pagamento em dinheiro imediatamente, quando se comprometem a trabalhar por vários anos. Este negócio normalmente é fechado com o chefe da família; o que quer dizer que uma forma selvagem de comércio de seres humanos se desenvolveu a partir das relações familiares patriarcais.

Crise Agrária Permanente

No Japão, como em geral, onde prevalecem condições semelhantes, a situação do camponês piora a um ritmo extremamente rápido, pois, além do jugo da exploração feudal, foi imposto sobre eles também o do capital. Logo no início da crise econômica mundial, na sequência de um corte de 20 por cento nos salários e através do retorno de numerosos operários demitidos ao país, o descontentamento se manifestou em fortes levantes agrários. O boom parcial ocorrido em 1931 não trouxe nenhum alívio satisfatório. Os preços de importantes produtos agrícolas, como arroz, feijão, chá e seda crua, não acompanharam a desvalorização do iene. No decurso do ano de 1933, este desenvolvimento tornou-se novamente crítico e, consequentemente, o Governo, no outono de 1933, tentou aliviar a situação agrária, mas sem sucesso real, através de extensas compras de arroz. Em junho de 1934, a associação agrícola japonesa publicou relatórios alarmantes: estabeleceu que 10 a 15 por cento dos camponeses não tinham mais suprimentos de arroz para suas necessidades pessoais, e que a porcentagem de famintos nas áreas de cultivo do bicho-da-seda era ainda maior. Além disso, ficou sabendo que os camponeses haviam arrombado algumas das casas de arroz do governo e colocado esses suprimentos para distribuição. O Governo não está em posição de eliminar as causas do empobrecimento agrário. Quaisquer aumentos consideráveis no preço do arroz impossibilitariam a manutenção dos atuais salários e, com eles, o ataque intensificado aos rivais no mercado mundial. Além disso, o empobrecimento do camponês não deve ser combatido tanto por meio do aumento dos preços do arroz, mas pela retirada do arrendamento da escravidão. E a classe dominante do Japão não irá, por sua própria iniciativa, perturbar a base de seu poder econômico. Em vista desse fato, cabe aos camponeses trabalhadores do Japão, que constituem cerca de 54% da população japonesa, um significado social especial. A questão de derrotar os poderes dominantes do Japão, como na Rússia antes de 1917, não é apenas uma questão de luta dos trabalhadores, mas, ao mesmo tempo, uma questão camponesa. Enquanto a classe dominante do Japão conseguir manter a base feudal-agrária do país, ela não apenas será assegurada em casa, mas também terá uma vantagem considerável no mercado mundial.

O Estado japonês

Através dos estreitos laços sociais e familiares que unem os poderes feudal e capitalista, que estão intimamente ligados ao Estado em razão da religião e costumes herdados, bem como em razão de seus interesses, o Estado japonês tornou-se seu instrumento ideal tanto politicamente e economicamente. Isso é provado não apenas pela política de conquistas imperialistas na Ásia Oriental, uma política que serve a objetivos políticos e econômicos distantes na luta pelo poder. Isso é comprovado também pelo apoio que o Estado dá às exportações japonesas. Embora a administração do estado esteja sob forte pressão devido ao orçamento militar, que na estimativa preliminar para 1934-35 abrange nada menos que 45% de todos os gastos do estado, o estado japonês ainda tem meios consideráveis sua disposição para promover as exportações. Em primeiro lugar, as empresas de navegação japonesas têm taxas de frete ajustáveis. Quando, por causa do frete para um mercado distante, as commodities japonesas teriam que ser vendidas mais caras do que pelo menos 5% sob os preços mais baixos da concorrência, a taxa de frete é reduzida ou mesmo, em certas circunstâncias, tornada diretamente inoperante. Além disso, as perdas das empresas de navegação são cobertas pelo Estado através de subsídios. É este sistema que esconde um despejo real. Esse dumping é possível porque a indústria japonesa opera com grandes lucros. As despesas crescentes do Estado são aumentadas, não por meio de impostos crescentes, mas por meio de empréstimos crescentes. Dos mais de 2,1 bilhões de ienes fornecidos no novo orçamento, não menos de 1 bilhão são arrecadados por meio de notas do tesouro, enquanto os impostos ainda geram menos de 700 milhões de ienes. A dívida nacional do Japão chega a 10 bilhões. Resta saber se o Governo conseguirá a longo prazo manter tal sistema de financiamento, que seria ruinoso para qualquer outro Estado, e por outro lado, apesar de todas as tensões, conseguirá mantê-lo, mesmo por força, o equilíbrio no campo agrário.

Aos métodos de dumping transportacional pertencem também os de uma subvenção estatal indireta à indústria japonesa por meio de contratos estatais. No caso de armamentos, construções ferroviárias etc., que o Estado concede contratos, pagam-se preços excedentários que permitem aos empresários em causa fixar preços de exportação baixos. No que diz respeito à indústria da seda e do aço, este sistema foi oficialmente admitido.

Ao investigar o caráter desses métodos de subvenção às exportações por meio da política de ajuste dos custos de transporte e da supervalorização dos contratos do Exército e do Estado, chega-se ao seguinte fato básico: o poder exportador do Japão se deve à sua extraordinariamente alta concentração capitalista, que é explicado pela própria maneira pela qual surgiu o industrialismo japonês. Um grande número de empresas foi fundado pelo Estado e, então, quando se tornou lucrativo, foi entregue ao capital privado – e sem exceção, na posse da família da nobreza militar. Cinco empresas familiares, nas mãos da velha nobreza militar, controlam aproximadamente 75% de toda a indústria japonesa. Essa indústria, além disso, é cartelizada da maneira mais estrita, de modo que existe no Japão tal entrelaçamento direto de todas as empresas entre si, por um lado, e com o Estado, por outro, que só pode ser encontrado em outros lugares em Rússia soviética. E isso com base no lucro e na economia privada. O financiamento do Estado, de um lado, e a promoção financeira das exportações do Estado, do outro, acaba sendo uma espécie de ação unificada e organizada do capitalismo japonês.

Essa impressão se fortalece ainda mais ao se considerar que todo o sistema exportador é organizado pelo Estado. Não só os preços, a quantidade e a qualidade dos produtos de exportação são fixados a partir de uma agência central, mas, além disso, o funcionamento dos mercados externos e a própria condução do fluxo das exportações são centralizados e organizados. O capitalismo japonês tem sido incomparavelmente mais bem-sucedido do que qualquer outro país ao se apoderar, como capital organizado, do aparelho de estado e como um grupo organizado de ir ao encontro dos grupos concorrentes dos outros países.

Conclusão

Não foi possível apresentar aqui um material exaustivo ou uma análise factual e abrangente do capitalismo japonês, mas apenas pontos a serem considerados para esse propósito. No entanto, de qualquer forma, pode ter ficado claro que o poder do jovem capitalismo japonês está ancorado não apenas na aplicação forçada dos métodos capitalistas-imperialistas gerais e bem conhecidos, mas, além disso, na estrutura especial de sua economia de exploração.

O Japão certamente não será capaz de se livrar das contradições de seu próprio desenvolvimento; não só isso, mas ele não terá sucesso em evitar as leis da própria economia de lucro antagônica, nem a oposição entre a produção capitalista moderna e a apropriação feudal na agricultura. Porém, enquanto ele estiver em posição de manter sua própria estabilidade social e de assegurar a si mesmo a base dupla de sua economia de lucro, ele também estará em posição de tirar de uma nova crise as novas forças para superá-la. Ele está apenas no início de um poderoso ataque imperialista que está conduzindo por meios militares e econômicos contra as antigas potências capitalistas. É provável que ele saia como vitorioso dos conflitos que se avizinham e se torne a força decisiva do progresso capitalista mundial em um futuro próximo – se seu caminho não for barrado pelo levante do proletariado internacional, ou se ele não for lançado de volta pela revolução camponesa da Ásia.

Traduzido por Leonardo da Cruz Boesing, a partir da versão disponível em: https://www.marxists.org/subject/left-wing/gik/1935/japanese-imperialism.htm.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*