Esquerda Dissidente na Revolução Russa | 1919-1922: A Oposição Operária – Libcom

Uma breve história de um grupo dentro do Partido Comunista Russo que lutou contra o aumento da burocracia partidária e pelo controle sindical sobre a indústria que, em 1922, havia sido dissolvida à força pelo partido.

A Oposição Operária começou a se formar em 1919, como resultado das políticas do comunismo de guerra, que estabeleceram uma precedência para a dominação do Partido Comunista sobre filiais e sindicatos locais do partido. Durante a guerra civil, a Oposição Operária começou a agitar-se contra a falta de democracia no Partido Comunista como resultado das ações centralizantes da burocracia do partido. A Oposição Operária, composta quase inteiramente por trabalhadores sindicalizados (com força particular entre os metalúrgicos), defendeu a restauração do poder para os sindicatos e sindicatos locais do partido e foi liderada por respeitados bolcheviques veteranos como Alexander Shliapnikov, Alexandra Kollontai e Sergei Medvedev.

Na Nona Conferência Russa do Partido Comunista, em setembro de 1920, as discussões sobre o crescimento da burocracia partidária e o funcionamento da economia soviética levaram a uma grande controvérsia. Por um lado, Lênin argumentou que era papel dos burocratas partidários ensinar os trabalhadores sindicalizados a administrar a economia do país; e por outro lado, a Oposição Operária tomou a linha oposta; que deveriam ser os próprios sindicatos, não burocratas partidários, que deveriam assumir a tarefa de construir a economia comunista. Como Alexandra Kollontai escreveu em seu panfleto seminal da Oposição:

“Não pode haver auto-atividade sem liberdade de pensamento e opinião, pois a auto-atividade se manifesta não só na iniciativa, na ação e no trabalho, mas também na independência. Não damos liberdade à atividade de classe, temos medo de críticas, deixamos de confiar nas massas: portanto, temos burocracia conosco. É por isso que a Oposição Operária considera que a burocracia é nossa inimiga, nosso flagelo e o maior perigo para a existência futura do próprio Partido Comunista. […] A Oposição Operária disse o que há muito tempo foi impresso no Manifesto Comunista por Marx e Engels: a construção do comunismo pode e deve ser obra das próprias massas trabalhadoras. A construção do comunismo pertence aos trabalhadores.”
– Alexandra Kollontai,  Oposição Operária

O grupo exigiu que a administração industrial fosse responsabilidade dos sindicatos e que os sindicatos controlassem a economia nacional como um todo. Apesar de ter um apoio substancial entre as bases do Partido Comunista, a liderança do partido recusou sua plataforma em sua totalidade. Lênin chegou ao ponto de afirmar que o partido “deve combater o desvio sindicalista, que matará o Partido a menos que esteja totalmente curado dele”. (Lênin, A Crise partidária). A Oposição também argumentou que, para combater a burocratização, todos os não proletários deveriam ser expulsos do Partido Comunista e de posições administrativas do governo. Eles também argumentaram que tais cargos deveriam ser eleitos, não nomeados.

Deve-se ressaltar, no entanto, que o apelo da Oposição Operária para que o controle da economia nacional fosse entregue aos sindicatos não era tão honroso quanto parece. O Conselho Central de Sindicatos Russos era inteiramente um braço do Estado bolchevique, preocupando-se principalmente de disciplinar os trabalhadores em vez de lutar por melhores condições. Eles eram totalmente diferentes dos comitês de fábrica, que tinham sido organizados na base pelos próprios trabalhadores. Em 1918, Shliapnikov chegou a dizer que os comitês fabris estavam colocando o controle “nas mãos de uma multidão que, devido à sua ignorância e falta de interesse na produção, está literalmente colocando um freio em todo o trabalho”  (citado no Controle dos Trabalhadores de Carmen Sirianni e democracia socialista: A Experiência Soviética). Embora a Oposição Operária argumentasse repetidamente que o comunismo só poderia ser construído pelos próprios trabalhadores e era a favor do controle sindical total da economia para conseguir isso, não era de forma alguma o mesmo que o controle real dos trabalhadores da economia. Para ser franco, eles preferiram que os burocratas que administravam a economia fossem dos sindicatos, e não do Partido Comunista.

Tais problemas ideológicos internos que a Oposição Operária sofreu relacionavam-se quase inteiramente à sua incapacidade de rejeitar alguns dos princípios centrais do bolchevismo e romper inteiramente com o Partido Comunista Russo. Geralmente, os membros da Oposição Operária eram experientes bolcheviques organizadores de base, oriundos da classe trabalhadora que passaram a vida inteira agitando sua classes. Como tal, eles naturalmente tinham uma lealdade aos órgãos do poder de classe que haviam sido criados em tempos de luta.

No entanto, sua lealdade simultânea ao bolchevismo e ao Partido confundiu a questão do papel da organização revolucionária e sua relação com a classe trabalhadora. Assim, embora eles possam ter argumentado que a “construção do comunismo pode e deve ser o trabalho das próprias massas trabalhadoras”, sua incapacidade de rejeitar o vanguardismo do socialismo autoritário significava que eles também argumentavam que  “o Partido Comunista Russo é o único líder político responsável da luta revolucionária na construção das massas operária e camponesa”. (Shliapnikov,  sobre as relações entre o Partido Comunista Russo, os soviéticos e os sindicatos de produção).

Lendo os textos da Oposição Operária, um fato gritante é que, embora argumentassem repetidamente pelo controle sindical da economia e por uma maior democracia dentro do Partido Comunista, eles não desafiaram a dominação política do próprio partido. Embora a Oposição Operária quisesse maior controle sindical da economia, os cargos reais de poder administrativo deveriam ser eleitos através das filiais locais do partido. O problema básico que a Oposição Operária tinha com o Partido Comunista Russo era que ele estava nomeando burocratas em posições de poder a partir do centro, em vez de elegê-los em nível local. Eles não pretendiam desafiar o monopólio do próprio Partido Comunista.

Os eventos de Kronstadt, e sua reação a ele, mostram mais claramente esses problemas. Quando Kronstadt entrou em erupção em oposição à dominação comunista da Rússia e exigiu um retorno ao slogan “Todo o poder aos Sovietes”, a Oposição Operária se apoiou em seu partido e muitos até se ofereceram para ajudar no ataque militar à revolta. Kronstadt marcou um problema para a Oposição Operária: por que sua classe estava atacando o Partido Comunista, os únicos  “líderes políticos responsáveis da luta revolucionária”? Sua incapacidade de romper com a bagagem vanguardista do leninismo significava que eles finalmente encontraram falhas com sua classe e não com os novos burocratas do Estado.

No entanto, mesmo com uma lealdade tão grande ao leninismo, a Oposição Operária foi um desvio muito grande do leninismo ortodoxo do partido. No 10º Congresso do Partido, em março de 1921, as posições da Oposição Operária foram rejeitadas, suas ideias condenadas, e foram ordenadas a dissolver-se.

Embora os membros da Oposição continuassem sua agitação, eles ainda se encontravam sob ataque da burocracia do Partido Comunista. Shliapnikov falou de como os membros da Oposição dos Trabalhadores foram expulsos do partido, às vezes sistematicamente transferidos para diferentes distritos, às vezes totalmente expulsos do partido. Ações semelhantes foram tomadas contra sindicatos que tinham uma lealdade tradicional à Oposição Operária. Por exemplo, a conferência sindical dos metalúrgicos de 1921 votou uma lista de candidatos recomendados para a liderança sindical do Comitê Central do Partido Comunista. Esta votação, no entanto, foi ignorada e os líderes partidários nomearam seus próprios candidatos para o cargo, no intuito de lembrar os metalúrgicos quem estava no poder, pois seu sindicato tinha sido um centro de atividade da Oposição Operária.

Em 1922, a Oposição dos Trabalhadores seria finalmente derrotada. O 11º Congresso do Partido veria a liderança do partido apresentar uma moção para expulsar os líderes da Oposição Operária do partido. Embora os laços estreitos da Oposição com as bases do partido significaram que a moção falhou, o grupo foi quase totalmente dissolvido como resultado do esforço conjunto dos líderes partidários. Por exemplo, dos 37 delegados da Oposição Operária ao 10º Congresso, apenas quatro conseguiram retornar como delegados votantes para o próximo congresso. Após tal pressão, a Oposição Operária entrou em colapso.

Em seu Apelo dos 22, distribuídos no congresso do partido em 1922, eles imploraram aos delegados do Comintern para reconhecer as  “medidas repressivas contra a expressão [de suas] opiniões dentro do partido” e ajudar a  “acabar com todas essas anormalidades”. Esses gritos de socorro, no entanto, caíram em ouvidos surdos.

Em 1926, os membros restantes da Oposição se juntaram brevemente à Oposição de Esquerda liderada por Trotsky, que, agora se descobrindo em desvantagem com a burocracia do partido, começou a lutar contra a crescente burocracia e a falta de democracia que ele mesmo ajudou a criar. De fato, o destino de Trotsky se assemelharia ao da Oposição. Depois de abandonar a classe operária russa em favor do poder político e da lealdade partidária, a Oposição Operária foi expulsa do partido e muitos de seus líderes (incluindo Shliapnikov e Medvedev) mais tarde seriam julgados e executados por seus pequenos desvios da ideologia partidária ortodoxa. Assim como Trotsky, a Oposição Operária seria destruída pelas estruturas autoritárias que ajudaram a criar com o abandono dos rebeldes de Kronstadt, marcando a derrota final da única força na Rússia que poderia tê-los resgatado de seu destino.

Traduzido por Medvedev Sergei Pavlovich a partir do original, disponível em: https://libcom.org/history/1919-1922-workers-opposition.

2 Comments

  1. Como diz um ditado popular, ” quem com ferro fere, um dia será ferido…”. Nesse caso trocaria a palavra ferro, pela palavra burocracia.

  2. Exagero colocar em Kondstadt a salvação contra a burocratização.
    É um idealismo ingênuo acreditar nisso.
    As reivindicações dois marinheiros eram justas, mas mas condições e contradições do momento davam um caráter diferente ao levante. Não a toa, o presidente do conselho de Kronstadt chegou a trocar cartas com um general branco dizendo pouco se importar com as reivindicações, mas querendo de toda forma acabar com os bolcheviques.
    Embora eu concorde em grande parte com a critica da forte burocratização, é preciso olhar que as condições de pobreza, miséria, guerra civil, pouco espaço deixaram para a livre criatividade do proletariado. Pelo baixo nível cultural, a economia estatizada era muito pouco eficiente. As obras de Bettelheim, lutas de classes na União Soviética, mostra muito bem essa dificuldade.
    A grande esperança de superação desse processo na União Soviética é, ao meu ver, a Revolução Alemã, que infelizmente fracassou.

Leave a Reply to Irineu Dourado Oliveira Cancel reply

Your email address will not be published.


*